108+X+Y. As contas de Costa para aprovar o Orçamento do Estado para 2020

Com 108 deputados socialistas, o PS precisa de convencer pelo menos oito deputados de outros partidos a votar a favor do Orçamento ou de 15 deputados a optarem pela abstenção.

Portugal está habituado a fazer contas à vida, mas regra geral a especulação sobre possíveis combinações envolve mais clubes de futebol ou a seleção nacional e um qualquer torneio internacional numa terra longínqua. Este ano, para a peça legislativa mais importante do ano: o Orçamento do Estado para 2020, a calculadora volta a assumir um lugar de destaque. As contas que António Costa tem de fazer para ver o documento aprovado no Parlamento não são fácil. Há muitas variáveis a ter em consideração.

O Governo reúne-se esta terça-feira com os partidos no Parlamento para a habitual apresentação das linhas gerais do Orçamento do Estado. As reuniões não costumam ser mais que uma formalidade para que os partidos dizerem o que acham que devia estar no Orçamento, mas o ambiente este ano será diferente: os socialistas não têm maioria no Parlamento, mas também ainda não fizeram acordos com partidos e as negociações com os antigos parceiros da geringonça têm estado paradas.

É um contexto muito diferente do que verificava há um ano, quando o Governo apresentava as linhas gerais do Orçamento com a confiança de que tinha dois parceiros que — com maior ou menor frisson — lhe garantiam a maioria para aprovar a proposta de Orçamento do Estado.

As eleições deram mais deputados ao Partido Socialista, mas também menos estabilidade na altura de garantir a principal peça de legislação de cada ano. Agora, os acordos pontuais, cuja negociação é menos clara e mais esporádica, permitem ao Governo ter um conjunto de cenários possíveis para fazer passar o orçamento no Parlamento, mas nenhuma garantia.

Com 108 deputados socialistas, o PS precisa de convencer pelo menos oito deputados de outros partidos a votar a favor do Orçamento ou de 15 deputados a optarem pela abstenção.

Um cenário mais provável: Abstenção do Bloco de Esquerda

Como o PS tem atualmente 108 deputados, a maioria chegaria com mais oito do seu lado, mesmo que todos os outros estivessem contra. No entanto, as contas mudam quando se coloca a abstenção em cima da mesa. A opção mais direta é a da abstenção do Bloco de Esquerda. Com 19 deputados, a abstenção do partido liderado por Catarina Martins, permitia ao PS fazer aprovar o Orçamento do Estado para 2020 sem reunir mais nenhum apoio.

No entanto, Catarina Martins, Pedro Filipe Soares e Mariana Mortágua já fizeram saber ao Governo as suas pretensões sobre o que deve estar na proposta de Orçamento do Estado para 2020 e entre elas está uma das medidas mais pesadas para as contas públicas e que o Governo já lhes transmitiu que terá dificuldade de suportar: a redução do IVA sobre a eletricidade de 23% para 6%.

A aprovação na generalidade não se afigura complicada. Nem o Bloco de Esquerda, nem o PCP devem bloquear o Orçamento à primeira, uma vez que ainda podem alterar as medidas do documento durante o processo de especialidade. Já a votação final global, pode ser diferente, caso as intenções do partido não sejam acauteladas.

“Demos conta da nossa preocupação ao Governo sobre a proposta genérica que nos fizeram chegar, que nos explicaram, demos conta também das nossas propostas. Dito isto, o Bloco de Esquerda nunca dará o seu voto a um Orçamento que não responda pelos problemas concretos do país”, disse Catarina Martins, à margem de uma visita à Escola Básica do Castelo, em Lisboa.

Um cenário possível: Abstenção do PCP e do PAN

Se o Bloco votar contra, o Governo pode sempre cortejar o apoio do PCP. No entanto, há duas limitações importantes nesta negociação. Em primeiro lugar, o PCP não tem deputados suficientes para permitir a aprovação do Orçamento se escolher o caminho da abstenção. Mesmo contando com os dois deputados d’Os Verdes, a sua abstenção deixaria o PS a três votos da aprovação.

A menos que o Governo consiga convencer o PCP a votar a favor documento, caso todos os outros votem contra, seria necessário que o PCP aprovasse o documento, ou que juntamente com a abstenção dos seus 10 deputados (12 a contar com Os Verdes) estivessem também a abstenção do PAN, que neste Parlamento conta com quatro deputados.

Jerónimo de Sousa já disse que o PCP vai votar o documento consoante o seu conteúdo, não anunciando para já o seu sentido de voto, mas demonstrou as suas inquietações: “O próprio Governo admite que muitas das respostas que se assumiram correm o risco de ficar a meio caminho, na medida em que a sua concretização está sempre depende do funil orçamental, em que só passa o que sobra das outras opções que se assumem, seja o défice, seja o serviço da dívida”, disse Jerónimo de Sousa, durante um encontro de militantes do PCP em Arouca, no distrito de Aveiro.

Um cenário alternativo, mas em vista: Apoio do PSD Madeira, PAN e Livre

As notícias dos últimos dias, e as palavras do próprio presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque (PSD), dão conta de uma forma alternativa — e possivelmente mais barata para as contas públicas — de os socialistas garantirem a aprovação no Parlamento do Orçamento do Estado para 2020, contando com o apoio dos três deputados do PSD-Madeira, dos quatro deputados do PAN e da deputada única do Livre.

Miguel Albuquerque disse publicamente que os deputados eleitos pelo círculo da Madeira estão no Parlamento para defender a região e que se as medidas forem boas para a região, então admite que estes três deputados ajudem a aprovar um Orçamento, mesmo que de um Governo socialista.

“O Orçamento do Estado pode depender do PSD/M e apenas de uma coisa: é das justas reivindicações da Madeira serem satisfeitas pelo poder central. Nós temos que olhar para o Orçamento em função dos interesses da Região e nós confiamos, como sempre dissemos, a nossa votação em função daquilo que são os legítimos direitos do povo madeirense. (…) O mesmo é dizer que se a concretização das nossas reivindicações estiver assegurada, nós não temos qualquer problema em aprovar o Orçamento do Estado para 2020”, disse durante o jantar de natal dos sociais-democratas.

Para que este equilíbrio de forças funcione, o Governo tem de garantir que os três deputados do PSD-Madeira votem a favor do Orçamento, juntamente com os quatro deputados do PAN e a deputada única do Livre, tendo apenas um deputado a mais que o empate.

Um cenário imprevisível: O voto do PSD

É uma das grandes incógnitas deste Orçamento. Nos últimos anos, o PSD tem vindo a mudar de posição na forma como vota. Em anos anteriores, o partido chegou a decidir votar sempre da mesma forma o Orçamento (contra tudo na proposta inicial, abstenção nas propostas de alteração independentemente do partido que as apresentasse e do seu conteúdo), mas também já votou contra o Orçamento e depois aliou-se ao Bloco de Esquerda e outros para aprovar medidas à revelia das intenções do Governo — como na redução do IVA sobre as touradas e sobre os cinemas.

Este ano, o PSD entra no processo orçamental ao mesmo tempo que Rui Rio, Luís Montenegro e Miguel Pinto Coelho disputam a liderança do partido. Rui Rio disse que só define a sua posição em relação ao orçamento quando conhecer o documento, tal como Miguel Pinto Coelho. Já Luís Montenegro defende o seu chumbo à partida, antes sequer de conhecer o documento.

Rui Rio ainda será líder do partido e da bancada parlamentar quando o Orçamento for votado pela primeira vez, na generalidade, e se decidir pela abstenção, o Governo não tem de conseguir acordos com qualquer dos partidos, podendo até ter a oposição de todos eles. Se votar contra, o PS terá sempre de conseguir a abstenção de pelo menos 15 deputados ou o voto a favor de oito.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

108+X+Y. As contas de Costa para aprovar o Orçamento do Estado para 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião