Catarina Martins diz que há condições para baixar IVA da energia

A líder do Bloco de Esquerda diz que "seria muito estranho" essa medida não se concretizar já neste orçamento, uma vez que todos os partidos têm propostas neste sentido e que há margem orçamental.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, disse este sábado que existem todas as condições para que o Governo reduza a taxa do IVA da energia já no próximo Orçamento do Estado.

“Uma vez que todos os partidos propõem ou já propuseram a descida da taxa do IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) da eletricidade e do gás, seria muito estranho que não houvesse condições políticas para a sua descida neste Orçamento”, disse aos jornalistas a líder do BE, em Olhão, no Algarve.

Catarina Martins falava à margem de uma visita que efetuou hoje aos mercados da cidade de Olhão, no distrito de Faro, referindo que “existem três motivos essenciais para a descidas do IVA na energia”.

“A eletricidade e o gás são um bem essencial de primeira necessidade, a sua descida tem um efeito enorme na economia e também porque para as famílias quanto menos pagarem na conta da luz, mais fica de salário e de pensão”, indicou.

A líder bloquista defendeu que a descida da taxa do IVA “é essencial e de toda a justiça para as empresas e famílias, sendo o momento de a adotar”.

Para Catarina Martins estão criadas todas as condições políticas e no país para descer a taxa da energia, “até porque, o ministro [das Finanças] Mário Centeno tem vindo a orgulhar-se da consolidação das suas contas públicas e, portanto, há margem para fazer esta descida”.

“É uma medida que o bloco sempre defendeu e que agora é também defendida à direita”, disse Catarina Martins, recordando que “o próprio PS, que votou contra a subida da taxa de IVA, chegou mesmo a propor que pudesse descer o IVA da energia”.

Segundo a coordenadora nacional do BE, a descida do IVA na energia, reúne um largo consenso dos partidos no parlamento, daí não existirem motivos para que não desça a curto prazo.

“O bloco tem toda a vontade negocial para encontrar a melhor proposta em conjugação com outros partidos e acho que é preciso aproveitar agora esta oportunidade, e é de toda a justiça que desça o IVA da energia neste Orçamento do Estado”, sublinhou.

Catarina Martins deslocou-se hoje à cidade de Olhão, visitando os mercados municipais, para, segundo disse, “auscultar os problemas e preocupações da população”.

“Para lá das questões importantes de Olhão, há outras que são comuns ao resto do país e que têm a ver com o salário e pensões ainda tão baixas”, indicou.

Para Catarina Martins, Portugal é um país de gente que trabalha muito e que vive com salários e pensões muito baixos e com muito esforço”, alegando que “o país tem condições para aumentar o salário mínimo” para os 750 euros.

“Então não há? A economia cresceu mais do que os salários, nós não nos esquecemos que mal foi possível haver alguma recuperação da economia as empresas aumentaram em cerca de 40% os salários dos seus gestores e dos seus altos quadros, ao mesmo tempo que deixavam os salários dos trabalhadores congelados”, concluiu a coordenadora do BE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins diz que há condições para baixar IVA da energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião