EDP e BCP suportam Bolsa de Lisboa em dia de eleições no Reino Unido e de reunião do BCE

A bolsa nacional acompanha os ganhos ligeiros das pares europeias num dia em que os investidores estão expectantes face às eleições no Reino Unido, à reunião do BCE e à guerra comercial.

A bolsa nacional está no verde pelo segundo dia consecutivo, acompanhando os ganhos modestos das pares europeias, num dia marcado pela expectativa dos investidores face às eleições no Reino Unido, à reunião do BCE e à guerra comercial. O PSI-20 está a ser suportado pelo avanço dos títulos da EDP e do BCP.

O PSI-20 soma 0,14%, para os 5.155,96 pontos, com a maioria dos seus títulos em terreno positivo. Na Europa, o Stoxx 600 avança 0,06%, em linha com os restantes índices europeus.

Os ganhos modestos acontecem num dia em que os investidores estão em “modo de espera” face às eleições antecipadas no Reino Unido que decorrem hoje, mas também pela primeira reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) sobre os comandos de Christine Lagarde.

“A reunião de hoje do BCE marca o início de uma nova era, a do mandato de Christine Lagarde”, destaca o BPI no seu diário de bolsa desta quinta-feira, lembrando que nesta reunião o gabinete de estudos económicos do BCE irá publicar as suas projeções de inverno.

A condicionar o rumo das ações está ainda a expectativa relativa à guerra comercial entre os EUA e a China e às negociações relativamente a um eventual adiamento do arranque a 15 de dezembro de novas tarifas às importações chineses.

Por Lisboa, os ganhos modestos são suportados pelas ações da EDP que ganham 0,35%, para os 3,726 euros, isto depois de se saber que a empresa liderada por António Mexia está a preparar um projeto-piloto, que deverá arrancar no início de 2020, de produção e armazenamento de hidrogénio na Central Termoelétrica do Ribatejo.

Também o BCP ajuda a manter o índice PSI-20 no verde. As ações do banco liderado por Miguel Maya ganham 0,26%, para os 19,25 cêntimos.

(Notícia atualizada às 8:20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP e BCP suportam Bolsa de Lisboa em dia de eleições no Reino Unido e de reunião do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião