BRANDS' ECO O futuro da educação em debate no primeiro Think Thank Moneris

  • BRANDS' ECO
  • 18 Dezembro 2019

“O futuro da educação: globalização e novas profissões” foi o tema escolhido para o primeiro Think Tank Moneris, um almoço-debate que decorreu no Grémio Literário, na passada quinta-feira.

A iniciativa, promovida pelo Centros de Competências da Educação da especialista em contabilidade e apoio à gestão, pretende juntar profissionais e líderes de pensamentos de vários setores. A ideia é debater os desafios e oportunidades das indústrias, retirando depois conclusões efetivas para o mercado.

A primeira edição dos Think Tanks Moneris foi dedicada à educação, sob o mote “O futuro da educação: globalização e novas profissões”.

O debate juntou Rodrigo Queirós e Melo (Diretor Executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo AEEP), Carlos Vieira (Presidente do Conselho-Geral do Instituto Superior de Gestão e Vice-Presidente da ANESPO – Associação Nacional de Escolas), Carlos Fernandes (Senior Investment Manager AICEP), Pedro Dominguinhos (Presidente Instituto Politécnico de Setúbal e do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos), Sónia Centeno Lima (Diretora Colégio Mira Rio), Diogo Simão (Administrador St. Peter´s School) e Sérgio Franclim (St. Peter’s Press), Pedro Faure (Diretor Colégio Planalto), Manuel Mexia e Joana Vaz Pinto (em representação do Grupo TASIS), e alguns quadros do Grupo Moneris.

Estando a globalização da educação no epicentro do debate, foram diversos os temas abordados, nomeadamente:

  • a adaptabilidade dos estabelecimentos de ensino à nova realidade global do ensino;
  • o crescimento do ensino profissional em Portugal e a crescente importância do mesmo na formação de quadros intermédios;
  • a complexidade do processo de equiparação do Bacharelato Internacional ao sistema de avaliação nacional;
  • metodologias e preocupações adotadas no estabelecimento de ensino face às novas tecnologias e aos perigos das redes sociais;
  • a necessidade de maior ligação entre o mundo empresarial e os estabelecimentos de ensino (secundários e universitário);
  • experiências de sucesso desenvolvidas em Portugal;
  • a atratividade de Portugal tendo como elemento primordial a melhoria dos níveis de desenvolvimento da população;
  • a problemática dos expatriados e a adequação do sistema de ensino às suas necessidades e culturas;

Em modo de conclusão, muitos dos intervenientes afirmaram que uma profissão de futuro é a de professor. A evolução tecnológica irá conduzir à extinção de muitas profissões. Porém, torna-se imperiosa a aposta na formação de novos professores capazes de substituírem a médio prazo os que atualmente exercem as suas funções.

A Moneris pretende desenvolver novos thinks thanks no âmbito deste setor e confirma a publicação do seu primeiro Anuário sobre a Educação já no próximo ano, que se junta assim ao do Turismo e ao da Agricultura já existentes.

Os Think Tanks têm a chancela dos Centros de Competências Moneris, criados para pensar proativamente diversos mercados – Agricultura, Educação, Sector Social, Sistemas de informação e Turismo -, tendo em conta as tendências e os desafios de cada um. Neles reúne um conjunto de profissionais qualificados, com o objetivo de encontrar soluções integradas para cada indústria.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O futuro da educação em debate no primeiro Think Thank Moneris

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião