Orçamento não tem previsto aumento extra das pensões, diz Ana Mendes Godinho

Ana Mendes Godinho explicou que no Orçamento só está prevista a atualização das pensões em 0,7% (que já está na lei) e aumento do Complemento Solidário para Idosos (CSI).

A norma inscrita no Orçamento do Estado para 2020 parecia abrir a porta à possibilidade de o Governo voltar a criar um aumento extraordinário de pensões, tal como pediam os partidos mais à esquerda e o Conselho de Ministros chegou a discutir. Mas a ministra do Trabalho esclareceu, esta quinta-feira, que o que está previsto no articulado da proposta de Orçamento é apenas o aumento generalizado já previsto na lei e o aumento do Complemento Solidário para Idosos para se aproximar do valor do limiar da pobreza. Ana Mendes Godinho admite discussões na especialidade, mas não se compromete com nenhuma posição.

Depois de ter feito correr muita tinta, e de o ministro das Finanças não ter esclarecido, Ana Mendes Godinho explicou que na proposta de Orçamento do Estado para 2020 em matéria de aumento de pensões o que está previsto é o aumento generalizado das pensões em 0,7% — que na verdade já está previsto na lei de bases da Segurança Social — e um aumento do CSI através da aproximação ao valor de limiar da pobreza, neste último caso vai afetar 160 mil pessoas, que terão mais 189 euros por ano.

Questionada pelos jornalistas se estaria previsto um aumento extraordinário, a ministra referiu o número 1 do artigo 58.º do Orçamento para dizer que “consta da proposta de Orçamento uma valorização real dos rendimentos dos pensionistas dos escalões mais baixos. Dois milhões que terão uma valorização das suas pensões acima da inflação”, disse, explicando que essa valorização referia chegará “quer através da atualização das pensões, quer através do CSI”.

“Em 2020, o Governo reforça as pensões de valor mais baixo, de modo a aumentar os rendimentos destes pensionistas e a combater a pobreza entre as pessoas”, pode ler-se na norma.

Já sobre a discussão na especialidade, Ana Mendes Godinho disse apenas que “em sede de especialidade, certamente haverá discussões e haverá um debate sobre as medidas que possam ser concretizadas”.

A ministra fez questão de sublinhar, tal como Mário Centeno já o tinha feito na terça-feira, que mais de dois milhões de pensionistas já vão ter um aumento das suas pensões acima do valor da inflação registada.

Esse aumento, de 0,7%, decorre da norma da lei de bases da Segurança Social que obriga à atualização das pensões ao valor da inflação, mais 0,5% caso a economia cresça pelo menos 2% do PIB em média nos dois anos anteriores. Este aumento só é aplicado nas pensões até 877,62 euros.

Ana Mendes Godinho disse ainda que o Orçamento tem previsto um aumento dos gastos com pensões superior a 700 milhões de euros, decorrentes destas alterações de outras mudanças.

Ainda assim, a Segurança Social deverá terminar o ano com um saldo positivo na ordem dos 2,7 mil milhões de euros.

Segundo a ministra, este saldo tem vindo a aumentar nos últimos anos, “acompanhado de um aumento da proteção social, nomeadamente nos mais idosos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Orçamento não tem previsto aumento extra das pensões, diz Ana Mendes Godinho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião