BRANDS' PESSOAS Está preparado para liderar o futuro?

  • BRANDS' PESSOAS
  • 23 Dezembro 2019

Rui Correia, EY Senior Manager, People Advisory Services, explica como a capacidade de desenvolver e aprender novas competências é hoje fundamental para a sobrevivência de líderes e organizações.

Não é novidade que o mundo está a mudar e o ritmo dessa mudança nunca foi tão grande. Nas organizações, todos os dias surgem novos desafios que põem à prova a capacidade de se adaptar e crescer.

O mundo está cada vez mais conectado e diverso. As preocupações com a sustentabilidade, o papel social ou o propósito das organizações são cada vez maiores.

Para dificultar o desafio, navegamos uma onda de transformação tecnológica e digital que muda não só as ferramentas e as formas de fazer negócio, mas também os paradigmas do trabalho. É evidente que as características e competências que fizeram um bom líder no passado não são as mesmas que asseguram a ‘navegação’ com sucesso nos dias de hoje.

O líder de hoje é um condutor da mudança, deve antecipar e provocar a mudança em vez de se deixar conduzir por ela. Deve conhecer a tecnologia disponível e como ela pode ajudar a sua organização a ser mais eficiente e virada para os clientes. Adicionalmente, quanto mais as empresas dependem da tecnologia e a usam, mais precisam das pessoas e mais relevante é ser Human Centric.

Estes são, felizmente, tópicos que as organizações já incorporam. Um estudo da American Management Association aponta para que 48% das organizações inquiridas acreditam que a única forma de se prepararem para o futuro é ter líderes com novas competências e capacidades. No entanto, o estudo conclui também que apenas 18% das organizações diz ter um pipeline de futuros líderes com as competências necessárias.

Hoje, a capacidade de desenvolver e aprender novas competências para acompanhar o ritmo da transformação é fundamental para a sobrevivência de líderes e organizações.

O que torna incontornável a mudança na liderança é, em primeiro lugar, uma força de trabalho radicalmente diferente, mais diversa e com uma forma muito diferente de olhar para o trabalho e para a relação com o empregador.

Em segundo lugar, as organizações estão sob escrutínio permanente dos media, da sociedade, das redes sociais, e garantir a gestão dos stakeholders internos e externos é hoje prioridade.

Por fim, as organizações deparam-se com problemas cada vez mais complexos: desde tecnologias emergentes, à expansão geográfica passando por um mundo global e pelo aumento e complexidade das regulamentações.

Tradicionalmente, as organizações preparavam os seus líderes com processos tradicionais de formação. No entanto, é cada vez mais evidente que a liderança precisa de uma mistura de educação, experiência e exposição às novas realidades, frequentemente só alcançáveis com programas mais abertos que incluam experiências na academia ou fora da organização, em si uma disrupção.

Grant Thornton’s 2019 International Business Report

Desde o início da primeira revolução industrial que nenhuma mudança tão profunda chegava ao mundo empresarial. A atual mudança traz simultaneamente oportunidades e desafios que vão colocar as organizações e as lideranças à prova e premiar os que conseguirem aproveitar as novas possibilidades que se abrem.

Antecipa-se que a tecnologia continue a ser a maior fonte de disrupção. O estudo IBR da Grant Thornton’s International aponta como principais fontes de disrupção nas organizações as mudanças trazidas por um mundo digitalmente conectado, o impacto no negócio da inteligência artificial, Big Data, automação de processos e robótica.

Grant Thornton’s 2019 International Business Report

O mesmo estudo aponta para a emergência de novas competências de liderança. A capacidade de aceitar e dirigir a inovação surge no topo, seguida da capacidade de adaptação e de beneficiar da mudança e da colaboração. A coragem de aceitar riscos e errar é também vista como fundamental num líder para os dias de hoje.

Capacidades que não eram importantes num líder no passado são hoje fundamentais e aí reside o desafio: ser capaz de aliar capacidades tradicionais com as novas competências. Hoje, a capacidade de desenvolver e aprender novas competências para acompanhar o ritmo da transformação é fundamental para a sobrevivência de líderes e organizações.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Está preparado para liderar o futuro?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião