Sondagem deixa PSD mais perto do PS

  • ECO
  • 23 Dezembro 2019

Segundo sondagem da Intercampus, Rui Rio encurta a distância que o separa de António Costa em dezembro. PS reúne 33,9% das intenções de voto, contra 25,7% do PSD,

O PSD está a posicionar-se e conseguiu encurtar a distância que o separa do PS em dezembro, avançou o Jornal de Negócios (conteúdo pago), de acordo com os resultados de uma sondagem da Intercampus feita para ao Jornal de Negócios e ao Correio da Manhã.

De acordo com a projeção, o PS reúne 33,9% das intenções de voto, contra 25,7% do PSD. Os socialistas perderam um ponto percentual enquanto os social-democratas subiram 0,8 pontos, o que, no total resulta de uma redução de 1,8 ficando a uma distância de 8,2 pontos. Se recuarmos a outubro esta diferença encurtou-se ainda mais, passando de 10,8 para 8,2 pontos.

O Bloco de Esquerda (BE) ocupa a terceira posição, com intenções de voto estáveis, de 10,7%. Seguido do CDU, que cai de forma significativa face ao mês anterior para 6,3%, ficando em linha com o mês de outubro. O PAN mantém-se em quinto lugar conseguindo 6,1% das intenções de voto, o valor mais alto desde sempre. O Chega também consegue um bom desempenho em dezembro e vê as suas intenções de voto passarem de 4,8% para 5,7%, ou seja, quase triplica o resultado obtido nas urnas a 6 de outubro. CDS recupera ligeiramente para 3,9%, contrariamente à Iniciativa Liberal que desliza para 2,4%, revela a sondagem.

A sondagem em questão foi realizado entre 12 e 17 de dezembro, período que coincidiu com a entrega do Orçamento do Estado no Parlamento que ocorreu a 16 de dezembro. A imagem de Rui Rio melhora enquanto a imagem de António Costa se degradou. Rui Rio recebe uma classificação de 3, que contrasta com os 2,7 do mês anterior, enquanto Costa passa de 3,2 para 3,1, ficando com a distância mínima face ao líder da oposição.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sondagem deixa PSD mais perto do PS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião