ACAP preocupada com “incerteza” na mudança das matrículas

  • Lusa
  • 14 Janeiro 2020

É preciso que o IMT defina rapidamente o tipo de material, a tipologia e a configuração das novas matrículas.

O secretário-geral da ACAP – Associação Automóvel de Portugal, Hélder Pedro, disse à Lusa que o setor fabricante de matrículas automóveis está preocupado com a “incerteza” relativa à possível mudança de formato das chapas nos carros.

De acordo com as palavras de Hélder Pedro à Lusa, à ACAP já chegou a preocupação com “uma incerteza desse setor pelo facto de ainda não estar definido exatamente qual o momento — depende também do mercado — em que vão mudar as matrículas, e as características das novas matrículas”.

Conforme noticiou a Lusa em 3 de janeiro, o novo formato de matrículas, AA-00-AA, pode “vir a contemplar, no caso das chapas destinadas a automóveis, a eliminação da inscrição do ano e mês da primeira matrícula e remoção da correspondente área de cor amarela”, de acordo com uma mensagem enviada em outubro pelo IMT – Instituto da Mobilidade e dos Transportes a agentes do setor.

O dirigente da associação automóvel instou hoje o IMT, que regula o transporte rodoviário em Portugal, a agir de forma a evitar problemas neste setor de atividade.

“Não sabemos se faltam dois meses, se faltam três meses ou se é menos para mudar o tema, mas é preciso que o IMT defina rapidamente o tipo de material, a tipologia e a configuração das novas matrículas, para que as empresas atempadamente possam fazer as encomendas dos materiais e para que o setor automóvel não venha a ter qualquer problema“, disse à Lusa em conversa telefónica.

O responsável da ACAP considera necessário evitar o “constrangimento de estarem os carros vendidos e não poderem circular porque não há fornecimento da matrícula”, algo “que é fundamental para o carro sair do ‘stand’”.

Questionado pela Lusa se o IMT já se pronunciou sobre o tema, Hélder Pedro disse que “a ACAP mantém regularmente contactos com o IMT, como entidade reguladora do setor”, e que tem “o melhor relacionamento” com a instituição.

“Mas, até ao momento, nem nós e penso que ninguém teve indicação clara sobre esta matéria em concreto. Esperamos que aconteça rapidamente”, partilhou.

A Lusa contactou o IMT e aguarda uma resposta.

A atual série de matrículas encontra-se nas letras “ZT”, e a partir da letra “U” faltarão 40 mil matrículas até se dar a mudança de série, disse à Lusa fonte do setor automóvel.

As alterações à regulamentação das matrículas estão relacionadas com a mudança da série 00-AA-00 para AA-00-AA, cuja alteração já foi aprovada em Conselho de Ministros em 19 de setembro de 2019 e reapreciada em 19 de dezembro.

Na mensagem do IMT a que a Lusa teve acesso no início de janeiro, a entidade referiu que ainda não era possível adiantar informação adicional sobre a matéria “até ser conhecida a versão final do diploma por via da respetiva publicação em Diário da República”.

Na sequência da incerteza, o regulador dos transportes rodoviários sugeriu aos agentes do setor que “a gestão de ‘stocks’ de chapas de matrículas destinadas às respetivas tipologias de veículos tenha em consideração o referido cenário”.

A passagem para a nova série de matrículas, constituída por dois grupos de letras e outro central de dois algarismos, estava prevista para o final de 2019, mas as vendas do setor automóvel ainda não atingiram o fim da atual série.

Em dezembro de 2018, o instituto adiantou que no futuro passariam a ser utilizadas as letras ‘Y’,’K’ e ‘W’ (que até agora não eram utilizadas), na sequência do Acordo Ortográfico.

De acordo com o IMT, a nova série permitirá atribuir cerca de 28 milhões de matrículas.

A primeira matrícula foi registada em 01 de janeiro de 1937 e até 29 de fevereiro de 1992 foi usado o modelo “AA-00-00”. A partir de 01 de março de 1992 foi usado o modelo “00-00-AA”.

Depois desse, começou a utilizar-se a série “00-AA-00”, que permanece até hoje.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ACAP preocupada com “incerteza” na mudança das matrículas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião