BCE dá ok à retirada de licença da Orey Financial

No seguimento da decisão, o Banco de Portugal vai requerer, nos termos da lei, junto do tribunal competente o início da liquidação judicial da Orey Financial.

O Banco Central Europeu (BCE) já deu luz verde à retirada da licença de atividade da Orey Financial. A empresa, que está apenas a realizar os procedimentos necessários para encaminhar os ativos dos clientes e fechar atividade, recebeu a decisão final do supervisor, que confirma o que tinha sido anunciado pelo Banco de Portugal em agosto.

“O Banco Central Europeu deliberou, no dia 10 de janeiro de 2020, emitir uma decisão final de revogação da autorização da Orey Financial – Instituição Financeira de Crédito, S.A. (Orey IFIC) para o exercício da atividade de instituição financeira de crédito”, anunciou em comunicado esta terça-feira.

A decisão do BCE surge na sequência da proposta de revogação da autorização da Orey IFIC enquanto instituição financeira de crédito, apresentado pelo Banco de Portugal, em agosto do ano passado.

“A decisão de revogação da autorização da Orey IFIC implica a dissolução e a entrada em liquidação da instituição”, sublinha. “Desta forma, o Banco de Portugal vai requerer, nos termos da lei, junto do tribunal competente o início da liquidação judicial da Orey Financial“.

Há mais de ano e meio que a Orey anunciou que pretendia deixar o setor financeiro, cujos prejuízos pesavam nas contas do grupo. Desde agosto que se cingia aos procedimentos necessários para encaminhar os ativos dos clientes e fechar a atividade, sendo que no final do ano passado tinha já transferido 87,76 milhões de euros em ativos dos clientes para duas dezenas de intermediários financeiros.

Em novembro, a holding que detém a financeira — a Orey Antunes — avançou com um pedido de abertura de processo especial de revitalização (PER) junto do Tribunal Judicial de Comarca de Lisboa. Pede, no âmbito do PER, perdão de 90% a 95% sobre dívidas que ascendem a 50 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE dá ok à retirada de licença da Orey Financial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião