Credores têm 20 dias para reclamarem créditos à Orey

  • ECO
  • 10 Dezembro 2019

Com a atribuição de um administrador judicial, arranca oficialmente o PER. Os credores têm agora 20 dias para reclamarem os seus créditos junto da empresa.

Depois da abertura de um Processo Especial de Revitalização (PER) junto do Tribunal Judicial de Comarca de Lisboa, a Orey anunciou que já lhe foi atribuído um administrador judicial, Jorge Manuel e Seiça Dinis Calvete, que terá, a partir de agora, de dar autorização à empresa para atos de “especial relevo”. O PER arranca, assim, oficialmente, tendo os credores 20 dias para reclamarem os seus créditos.

“Este despacho representa o início formal do PER, conforme havia sido requerido pela sociedade, tendo sido citados todos os credores da sociedade e demais interessados”, refere a Orey em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A empresa avançou para PER, pretendendo que os credores perdoem um valor em dívida em torno dos 50 milhões de euros. “O prazo para a reclamação de créditos é de 20 dias, devendo as reclamações de crédito ser remetidas ao administrador judicial provisório nomeado que, no prazo de cinco dias findo o prazo de reclamação de créditos, elaborará uma lista provisória de créditos. O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019″, acrescenta.

A Orey conclui afirmando que “irá, nos termos da lei, comunicar a todos os seus credores que deu início a negociações com vista à sua revitalização, convidando-os a participar, caso assim o entendam, nas negociações em curso e informando que a proposta do plano de recuperação e demais documentação se encontram patentes na secretaria do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa”, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Credores têm 20 dias para reclamarem créditos à Orey

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião