Portugal deve ser “implacável” contra “práticas de corrupção e cleptocráticas”, diz Santos Silva

  • ECO
  • 21 Janeiro 2020

O ministro dos Negócios Estrangeiros defende que as empresas portuguesas que poderão estar envolvidas nos esquemas de Isabel dos Santos devem ser responsabilizadas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros defende que Portugal deve ser “implacável” contra “práticas de corrupção e cleptocráticas”, mesmo quando se trata de empresas nacionais. Augusto Santos Silva comentava as implicações do Luanda Leaks, uma investigação que detalhou esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido.

Portugal não defende as suas empresas para que a lei não seja cumprida ou para que interesses de estados soberanos possam ser prejudicados. Não se trata de defender as empresas portuguesas apenas por serem portuguesas, perante quaisquer factos conhecidos”, disse Augusto Santos Silva, no Parlamento, em declarações citadas pelo Expresso (acesso condicionado).

Respondendo a uma questão do deputado social-democrata António Maló de Abreu, sobre as empresas em Portugal “abrangidas” pelo escândalo Luanda Leaks, o ministro reiterou que o país vai defender a economia “cumprindo a lei e sendo implacável no combate a práticas de corrupção e cleptocráticas”.

Neste sentido, sublinha Santos Silva, Portugal tem mantido a relação com Angola, alargando também a cooperação “no domínio judiciário, fiscal e financeiro”. A intenção é de que “tudo seja claro e todos os indícios de más práticas possam ser investigados e as más práticas penalizadas, para que o nosso relacionamento seja limpo, transparente, cristalino”, reiterou Santos Silva.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal deve ser “implacável” contra “práticas de corrupção e cleptocráticas”, diz Santos Silva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião