Lovys vai entrar no ramo automóvel e nos seguros de cães e gatos

  • ECO Seguros
  • 22 Janeiro 2020

A Lovys, a insurtech pioneira em Portugal na distribuição 100% digital de planos reunindo diferentes garantias numa só apólice, vai entrar no ramo automóvel e oferecer seguros para o segmento 'pet'.

Assumindo uma visão pan-europeia do seu mercado potencial, a empresa tem como prioridade o mercado francês de seguros não Vida, um dos maiores no setor dos seguros a nível europeu.

Agora, para além dos dois tipos de coberturas já consolidadas (seguro casa e seguro smartphone), “vão seguir-se dois novos produtos, no ramo automóvel e no segmento pet [seguro cães/gatos]”, avança João Janes, Diretor de Marketing, em declarações ao ESPECIAL INSURTECH.

Enquanto insurtech, a Lovys assume que “os desafios do mercado estão bastante alinhados com os que a empresa visa resolver”, nomeadamente, “o afastamento e desconhecimento dos clientes em relação ao setor, a necessidade de reinvenção de produtos e processos através de tecnologia centrada no cliente e a flexibilização do produto, dando maior liberdade ao utilizador final na compra e gestão da sua proteção”.

A proposta da Lovys proporciona aos seus clientes uma experiência 100% digital e mobile-first. Através do telemóvel e “em poucos cliques, o utilizador pode subscrever o seguro que necessita, declarar um sinistro ou alterar as suas garantias. A grande vantagem é ter ainda uma subscrição mensal única”, salienta o responsável.

Suportada num crescimento médio mensal superior a 30%, a Lovys conta já com vários milhares de clientes. Legalmente habilitada para comercializar os seus produtos em mais de 20 países europeus, é atualmente uma das insurtech com maior ritmo de crescimento na Europa.

Na ótica de recursos financeiros, em junho de 2019, a empresa protagonizou a maior ronda de investimento em fase seed no segmento de seguros não Vida em França, levantando 3,3 milhões de euros.

Os seus principais investidores são a Portugal Ventures, o grupo MAIF, uma das maiores seguradoras francesas e a Plug&Play, um dos primeiros investidores em empresas como a DropBox e Paypal. Os recursos captados têm sido aplicados sobretudo na expansão e aceleração (aquisição de novos clientes e construção de novos produtos).

Com a atividade de desenvolvimento tecnológico concentrada em Portugal e a direção de negócios estrategicamente estabelecida em França, a empresa liderada pelo CEO João Cardoso conta com escritórios em Lisboa, Porto e Leiria. A equipa de 35 colaboradores, representando 10 nacionalidades diferentes, está repartida por França e Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lovys vai entrar no ramo automóvel e nos seguros de cães e gatos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião