Taxas reduzidas nas rendas de longa duração não convencem proprietários

  • ECO
  • 23 Janeiro 2020

A lei que oferece taxas mais baixas de IRS a quem fizer contratos de arrendamento de longa duração não está a ser apelativa. Em 2019, apenas 13,5% dos contratos eram assim.

Cerca de um ano depois de ter entrado em vigor a lei que estipula taxas de IRS mais baixas para os senhorios que façam contratos de arrendamento de longa duração não está a ser suficientemente atrativa. Os números do Ministério das Finanças mostram que, no ano passado, apenas 13,5% dos contratos declarados ao Fisco tinham duração superior a dois anos.

Dos 245.072 contratos de arrendamentos que foram registados no portal e-arrendamento no ano passado, apenas 25.056 tinham um prazo de duração superior a dois anos, mostram os dados das Finanças, cedidos ao Jornal de Negócios (acesso pago).

A lei prevê que os contratos entre dois e cinco anos beneficiem de uma redução de 28% para 26% no IRS, enquanto nos contratos entre cinco e dez anos, a taxa passa para os 23%. Nestes dois casos, se o contrato for renovado, haverá uma nova redução até um máximo de 14%. Já nos contratos com prazos de dez ou mais anos, a redução passa imediatamente para metade — 14%, enquanto nos superiores a 20 anos passa para 10%.

Os benefícios fiscais são muitos, mas não parecem ser apelativos. No primeiro ano de vigência da lei, foram registados 20.302 contratos com duração entre os dois e os cinco anos e 3.195 entre cinco a dez anos. A partir desse prazo, os números vão caindo: 955 contratos entre dez e vinte anos e 604 contratos com 20 ou mais anos.

Face a estes números, o Ministério das Finanças alerta que o número de contratos de longa duração poderá ser maior, isto porque nem todos os contratos registados preencheram o campo da duração. Contudo, nesses casos, o Fisco não terá informação que permita aplicar a redução da taxa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxas reduzidas nas rendas de longa duração não convencem proprietários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião