Tranquilidade lança o primeiro seguro para as rendas acessíveis

  • ECO Seguros
  • 22 Janeiro 2020

É a primeira a avançar com estes seguros obrigatórios para quem queria aderir às rendas acessíveis do Governo. Apólices, para os inquilinos, custam 12,54 euros por mês para uma renda de 500 euros.

Já está lançado o primeiro seguro para o Programa de Arrendamento Acessível (PAA). O pontapé de partida foi dado pela Tranquilidade, que acaba de lançar uma apólice que assegura a proteção de senhorios e inquilinos que adiram a esta iniciativa do Governo.

O Seguro de Arrendamento Acessível dá resposta aos requisitos dos seguros associados ao PAA, conforme estipulado por lei, anunciou a seguradora, em comunicado. No caso dos senhorios, esta apólice cobre a falta de pagamento das rendas pelo inquilino e, aos inquilinos, garante-lhes uma indemnização em caso de quebra involuntária de rendimentos.

Mas o inquilino pode ainda aumentar a sua proteção, comprando a cobertura de danos no alojamento em substituição da caução obrigatória. Nesse caso, as indemnizações devidas ao senhorio por responsabilidade do inquilino na data da entrega do imóvel são garantidas pela seguradora.

Este novo seguro obrigatório — que já está a ser disponibilizado no mercado — para quem quer aderir ao PAA aparece depois do desafio lançado pela Secretaria de Estado da Habitação. Para além de permitir o cumprimento de obrigações legais, esta apólice “reduz os riscos de incerteza e oferece maior segurança para todos os envolvidos no Programa de Arrendamento Acessível”, explica a Tranquilidade.

E, para os interessados, já há preços. O seguro que protege os senhorios contra o atraso de rendas, prevê o pagamento de nove rendas mensais e vai ter um custo de 6,45 euros por mês para uma renda de 500 euros.

Para os inquilinos, o seguro protege contra a quebra involuntária de rendimentos, devido a morte, invalidez temporária ou definitiva ou desemprego, e prevê um pagamento equivalente a quatro rendas mensais, em troca de 12,54 euros por mês por parte do inquilino, tendo como exemplo uma renda mensal de 500 euros.

Já a cobertura adicional (e opcional) que a Tranquilidade oferece prevê uma oferta de duas rendas, substituindo o depósito de caução. Contudo, para este produto, a seguradora não indicou o valor.

Em meio ano só foram assinados 117 contratos

Este seguro é o primeiro lançado no âmbito do PAA, uma iniciativa do Governo que arrancou a 1 de julho do ano passado. Até ao momento, os inquilinos não tinham alternativa a não ser pagar ao senhorio uma caução mas, com o aparecimento dos primeiros seguros, isso deixa de ser uma opção. Estes produtos passam a ser obrigatórios para quem quiser celebrar um contrato de arrendamento através do PAA.

Desde que arrancou, o PAA celebrou apenas 117 contratos de arrendamento, anunciou a secretária de Estado da Habitação na semana passada, acrescentando que “esta é uma fase de implementação”. Contudo, o número de inquilinos interessados continua a ser bastante superior aos proprietários interessados, uma tendência desde cedo antecipada pelas associações do setor.

Para se inscreverem no PAA, os senhorios devem inscrever os seus próprios imóveis na plataforma e assegurar que praticam rendas abaixo do valor de mercado. Os imóveis devem na plataforma por um prazo mínimo de cinco anos (ou nove meses em caso de quartos arrendados a estudantes do ensino superior). Além disso, os senhorios devem garantir as condições mínimas de segurança, salubridade e confronto das habitações.

Mas do lado dos inquilinos também há condições e critérios. Para ser elegível ao PAA, o agregado habitacional deve ter, no caso de uma pessoa, um rendimento anual bruto máximo de 35.000 euros, um valor que aumenta para 45.000 euros no caso de um agregado com duas pessoas. Por cada pessoa a mais, adiciona-se 5.000 euros de rendimento anual bruto máximo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tranquilidade lança o primeiro seguro para as rendas acessíveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião