Brasileira Oi vende participação na angolana Unitel por 900 milhões de euros

  • Lusa e ECO
  • 24 Janeiro 2020

A operadora brasileira Oi vendeu a sua participação de 25% na angolana Unitel 900 milhões de euros para a petrolífera estatal Sonangol, de Angola.

A operadora brasileira Oi vendeu a sua participação de 25% na angolana Unitel por mil milhões de dólares (900 milhões de euros) para a petrolífera estatal Sonangol, de Angola, avançou O Globo.

De acordo com O Globo, que cita o contrato de venda, 750 milhões de dólares (678 milhões de euros) serão transferidos na sexta-feira para a operadora brasileira, sendo que a Sonangol depositará o restante valor em até 90 dias.

O negócio levou as ações da Oi a disparar, registando uma subida de 9,18% na Bolsa de Valores de São Paulo, com cada título da empresa a chegar a ser negociado a 1,07 reais (0,23 cêntimos de euros).

Já depois da publicação desta notícia, a Oi emitiu um comunicado em que confirma a operação, que diz estar “prevista no plano de recuperação judicial” em curso. “O ingresso de novos recursos e a redução de gastos em virtude da desvinculação com os litígios em curso proporcionarão o incremento de liquidez financeira e a melhoria no fluxo de caixa” das empresas do universo Oi, lê-se na nota, que também foi remetida à CMVM pela acionista Pharol.

Em 9 de janeiro, o diretor de comunicação e imagem da Sonangol, Dionísio Rocha, já tinha confirmado a disponibilidade da empresa angolana em adquirir a participação de 25% da operadora brasileira na angolana Unitel.

“Estamos a equacionar a hipótese de ficar com a participação da PT Ventures [empresa controlada pela Oi], mas tudo depende da decisão do tribunal de Paris”, afirmou o diretor de comunicação, indicando, na ocasião, que o valor estimado da aquisição deveria ser “o do mercado”.

O Tribunal de Comércio de Paris condenou os acionistas angolanos da Unitel a pagarem à Oi mais de 600 milhões de euros por violações do acordo acionista e deu como provado que foram realizadas “transações em benefício próprio”.

Questionado sobre como seria financiada a operação de aquisição, Dionísio Rocha disse apenas que a “Sonangol está a financiar-se na banca internacional”, sem dar mais esclarecimentos.

A Oi está em processo de recuperação judicial desde 2016 para reduzir o passivo, que ronda os 65,4 mil milhões de reais (cerca de 14 mil milhões de euros).

A companhia brasileira enfrenta prejuízos e chegou a contratar assessores financeiros para avaliar a operação de telemóvel no país.

Num relatório divulgado no início desta semana, analistas financeiros traçaram um cenário mais positivo para a empresa, com a expectativa de captações de recursos que somariam cerca de 8 mil milhões de reais (1,7 mil milhões de euros).

Segundo o jornal Valor Económico, esse montante já incluía a perspetiva do negócio angolano, confirmado esta sexta-feira.

Em dezembro último, a operadora foi alvo, no âmbito da operação Lava Jato, de uma investigação sobre alegados pagamentos irregulares a empresas ligadas a um dos filhos do ex-Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva.

De acordo com um comunicado enviado pelo Ministério Público Federal, o grupo Oi teria efetuado pagamentos suspeitos de mais de 132 milhões de reais (cerca de 28,6 milhões de euros) a empresas controladas por Fábio Luís Lula da Silva, entre os anos de 2004 e 2016.

Já a Unitel, que tem como acionista a subsidiária da Oi PT Ventures, viu-se envolvida num escândalo global, designado ‘Luanda Leaks’, divulgado no último domingo por um consórcio de jornalistas de investigação.

O consórcio revelou mais de 715 mil ficheiros que detalham esquemas financeiros da empresária angolana Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que estarão na origem da fortuna da família.

Segundo a investigação, a Unitel terá sido foco de desvios e transações ilícitas.

A Unitel contava com quatro acionistas, cada um dos quais detendo 25%, sendo eles a PT Ventures (detida pela brasileira Oi), Sonangol, a Vidatel (controlada pela empresária angolana Isabel dos Santos) e a Geni (do general Leopoldino Fragoso do Nascimento).

(Notícia atualizada às 17h12 com confirmação da operação pela Oi)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brasileira Oi vende participação na angolana Unitel por 900 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião