Tribunal de Luanda arresta bens de Isabel dos Santos no BFA, Unitel e ZAP. O que diz o tribunal de Luanda e a primeira resposta da empresária

O Tribunal Providencial de Luanda decidiu o arresto de uma série de empresas em nome de Isabel dos Santos, Sindika e Mário Leite Silva. Já há resposta de Isabel dos Santos no Twitter.

O Tribunal Providencial de Angola decidiu o arresto preventivo de participações em nome de Isabel dos Santos e do seu marido, Sindika Dokolo, e do gestor Mário Silva, em empresas como a Unitel, o BFA, o Bic Angola e a ZAP. Em comunicado, a Procuradoria-geral angolana refere a emissão de uma providência cautelar de arresto no Tribunal de Luanda.

“O Estado angolano, através da Sonangol, entrou com 100% do capital, correspondente a 193.465.406,23 euros (centro e noventa e três milhões, quatrocentos e sessenta e cinco mil, quatrocentos e seis euros e vinte e três cêntimos, tendo emprestado à sociedade Exem Energy BV 75.075.880,00 (setenta e cinco milhões, setenta e cinco mil, oitocentos e oitenta euros), valores não devolvidos até à presente data“, refere o comunicado.

Ainda de acordo com o documento, “houve uma tentativa de pagamento da dívida por parte dos requeridos em kwanzas, facto que foi rejeitado em virtude de a dívida ter sido contraída em euros e esta cláusula resultar do próprio contrato“.

A primeira resposta de Isabel dos Santos foi no Twitter, apelando tranquilidade das equipas de gestão das empresas envolvidas.

A Procuradoria-geral da República angolana indica ainda que o arresto preventivo dos bens será efetuado através das “contas bancárias dos requeridos (pessoais) nos bancos BFA, BIC, BAI e Banco Económico” e ainda a partir das participações sociais de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo, e do gestor Mário Silva em instituições como o Banco BIC, a Unitel, o Banco BFA, a ZAP Media, a FINSTAR, CIMANGOLA II – Sociedade de Investimentos, CONDIS – Sociedade Distribuição Angola, Continente Angola e SODIBA – Sociedade de Distribuição de Bebidas de Angola.

(Notícia atualizada às 20h50 com mais informação.)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal de Luanda arresta bens de Isabel dos Santos no BFA, Unitel e ZAP. O que diz o tribunal de Luanda e a primeira resposta da empresária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião