PSD prevê contrapartidas para baixar IVA da eletricidade para 6%. Propõe poupança nos ministérios

O PSD apresentou propostas de alteração ao Orçamento do Estado que passam por reduzir o IVA da eletricidade. Acredita que se o Governo estiver "de boa fé" não serão necessárias contrapartidas.

O PSD apresentou uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) para reduzir o IVA da eletricidade, no consumo doméstico, de 23% para 6% já a 1 de julho deste ano. O partido prevê algumas contrapartidas para mitigar impacto orçamental, caso seja necessário, que passam pela redução de despesas ministeriais, nos consumo intermédios.

O partido aponta que o Governo apresentou uma proposta à Comissão Europeia para modelar a taxa de IVA da luz, e se o fez é porque tem espaço no OE2020 para a proposta ser aprovada. “Se assim for a proposta será aprovada sem nenhuma contrapartida”, garante Afonso Oliveira, em conferência de imprensa para apresentar as propostas de alteração do PSD. “Se o Governo estiver de má-fé temos proposta com contrapartidas”, continua.

Esta medida é “tomada tendo em conta as contas públicas”, indica, sublinhando que nenhuma das propostas “desvirtua o orçamento”. O custo desta medida será de 175 milhões de euros no ano de 2020, segundo as estimativas do partido.

Esta era uma das proposta dos social-democratas mais aguardadas por existir a possibilidade de uma maioria negativa com o Bloco de Esquerda e com o PCP, o que permitiria viabilizar a redução do IVA da luz contra a vontade do Governo. O PSD, PCP e BE têm, contudo, abordagens diferentes. Os comunistas querem uma redução imediata do IVA da energia e do gás para todos, enquanto o Bloco quer uma redução faseada.

Questionado sobre a possibilidade de uma convergência com os restantes partidos nesta matéria, o deputado do PSD adiantou que “neste momento, não há nenhuma posição de acordo com nenhum partido”. Deixou, ainda assim, a garantia de que iriam “analisar todas as propostas”.

Mais de 60 propostas para alterar um “mau orçamento”

O PSD entregou à volta de 60 propostas de alteração ao OE2020, que caracteriza como um “mau orçamento”, neste que era o último dia do prazo. Estão divididas por três áreas, sendo elas “imprimir dignidade e verdade ao OE”, “melhorar as condições de vida, a justiça social e o rendimento disponível dos portugueses”, e reforçar a coesão territorial e a melhoria ambiental.

Os deputados social-democratas destacaram algumas medidas, nomeadamente definir que nenhum militar receba menos que o salário mínimo e garantir a independência das entidades reguladoras. Sublinharam também o aumento do número de bolsas e aumento do valor do Complemento do Alojamento para estudantes bolseiros sem vaga em residências estudantis.

Na Saúde, Álvaro Almeida sublinha o reforço do compromisso para atribuir um médico de família a todos os portugueses, com recurso a médicos do setor privado, e um alargamento do modelo SIGIC às listas de espera para consultas de especialidade e exames complementares.

Entre as medidas encontra-se também a proposta de “fixar um limite às cativações, ou seja, 75% do teto cativado pelo Ministério das Finanças em 2019“, bem como “estabelecer a fixação de cativações à Entidade Reguladora da Saúde, ADSE e INFARMED”.

(Notícia atualizada às 17h05)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD prevê contrapartidas para baixar IVA da eletricidade para 6%. Propõe poupança nos ministérios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião