Já há quase 600 propostas de alteração ao Orçamento. Prazo termina na segunda-feira

Partidos marcam terreno para debate na especialidade do OE2020. Já chegaram à AR quase 600 propostas a incluir no OE. Esquerda domina lista de mudanças à proposta de Centeno.

Mário Centeno pediu contenção aos partidos, mas nos serviços do Parlamento já deram entrada quase de 600 propostas de alteração de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) desde que abriu a fase em que os partidos podem tentar mudar a proposta de lei do Governo.

Entre os partidos que até agora entregaram propostas, o PCP foi o que colocou mais alterações (174) em cima da mesa. Ao todo são já 598. O prazo final para entrada de propostas de alteração termina na próxima segunda-feira, às 18 horas. Esta foi a hora marcada pelos serviços da Assembleia para pôr fim à entrega de propostas, mas em anos anteriores aconteceu existirem algumas propostas que já foram entregues depois desse momento.

No ano passado, as propostas de alteração chegaram quase às mil. Desta vez não será surpreendente se o número de propostas de alteração ultrapassar aquele, já que os partidos à esquerda do PS consideraram que o Orçamento era curto em avanços. A este facto junta-se outro. Nesta legislatura há 10 partidos no Parlamento, mais três do que na anterior.

No final do debate na generalidade, o ministro das Finanças que, em conjunto com a secretaria de Estados dos Assuntos Parlamentares, tem de definir o que é aceite e o que fica pelo caminho, pediu aos partidos contenção e responsabilidade durante a fase de debate na especialidade e defendeu que Portugal não espera maiorias negativas.

Esta é a lista de partidos que já entregaram propostas (e quantas foram entregues por cada um deles):

  • BE (115)
  • PCP (174)
  • PEV (56)
  • PAN (137)
  • Livre (30)
  • Iniciativa Liberal (48)
  • Chega (38)

PS, PSD e CDS ainda não entregaram qualquer proposta de alteração ao Orçamento.

Para já ainda não é possível saber o que acontecerá às propostas de alteração que são apresentadas. Mas já há algumas pistas, nomeadamente, nas pensões. A partir do dia 3 de fevereiro, os deputados começam a discutir as propostas e a votá-las. Só uma parcela mais pequena será aprovada para integrar a lei final.

A corrida às propostas de alteração começou logo no primeiro dia em que foi possível entregar. Em menos de 24 horas entraram nos serviços do Parlamento 179 propostas de alteração ao OE2020. Depois de se terem queixado de a proposta de Orçamento do Governo pouco avançar face ao que foi feito em anos anteriores, BE e PCP quiserem desde logo marcar território sobre as medidas que querem ver incluídas no OE durante a fase da especialidade.

Uma das propostas do Bloco de Esquerda entregue na primeira hora dirige-se aos trabalhadores por turnos. A ideia é que a idade da reforma aplicada aos trabalhadores por turnos seja reduzida em dois meses por cada ano cumprido com horários rotativos. Outra das medidas dos bloquistas é a atualização dos escalões de IRS de acordo com o valor da inflação e o fim de isenção de IMI para partidos. Ou ainda que a taxa do IVA da eletricidade e do gás natural desça para 13% já a partir de julho, pretendendo que a taxa reduzida de 6% seja atingida durante a legislatura.

Do PCP chegaram as propostas para atualizar os escalões do IRS em linha com a inflação prevista para 2020 (1%) e não com a inflação registada no último ano (0,3%), bem como a criação de um novo escalão de IRS para os mais ricos. Por outro lado, o PCP também quer um aumento mínimo de dez euros para todas as pensões ou ainda o fim das taxas moderadoras até final de 2021 e o englobamento de todos os rendimentos para os rendimentos superiores a 100 mil euros.

Tanto Bloco como PCP entregaram propostas para garantir um aumento de extra nas pensões. O Governo já se comprometeu com um aumento extraordinário de dez euros, faltando definir em sede de especialidade o mês a partir do qual começa a ser pago.

Depois de ter sido aprovado na generalidade com a abstenção de BE, PCP, Verdes, PAN, Livre e PSD/Madeira, o Orçamento do Estado para este ano está atualmente em fase de especialidade. Para 6 de fevereiro está marcada a votação final global.

(Notícias atualizada às 11h00 com as novas propostas entregues)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há quase 600 propostas de alteração ao Orçamento. Prazo termina na segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião