Em menos de 24 horas já há 179 propostas para alterar o Orçamento

Os partidos têm até 27 de janeiro para entregar propostas de alteração ao OE2020. Mas a corrida começou logo nas primeiras 24 horas. 5 partidos já puseram preto no branco o que querem incluir no OE.

O Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) foi aprovado na generalidade na passada sexta-feira. Esta segunda, assim que os trabalhos parlamentares foram reabertos, os partidos começaram logo a entregar propostas de alteração ao Orçamento. Até agora, já deram entrada 179 propostas de cinco partidos.

Durante a fase de debate na generalidade, os partidos à esquerda do PS queixaram-se da falta de capacidade do Governo para dialogar. A proposta de lei chegou à Assembleia da República sem concessões à esquerda e apenas com intenções de possíveis cedências.

E, por isso, às primeiras horas da nova fase de debate — a da especialidade –, os partidos que com a abstenção permitiram a viabilização do documento já passaram para o papel o que querem incluir no Orçamento.

Por partido, o número de propostas de alteração entregue por cada um foi o seguinte: BE (39), PCP (37), PAN (46), PEV (31), Livre (26).

O prazo final para entregar propostas de alteração termina a 27 de janeiro, pelas 18 horas. Até lá, os partidos entregarão mais propostas. Em paralelo, os partidos que se abstiveram continuarão nos bastidores a negociar com o Governo as fórmulas que podem permitir aproximações e a aprovação final do Orçamento, cuja votação está marcada para 6 de fevereiro.

Uma das propostas do BE dirige-se aos trabalhadores por turnos. A ideia é que a idade da reforma aplicada aos trabalhadores por turnos seja reduzida em dois meses por cada ano cumprido com horários rotativos. Outra das medidas dos bloquistas é a atualização dos escalões de IRS de acordo com o valor da inflação e o fim de isenção de IMI para partidos. Ou ainda que a taxa do IVA da eletricidade e do gás natural desça para 13% já a partir de julho, pretendendo que a taxa reduzida de 6% seja atingida durante a legislatura.

Do PCP chegaram as propostas para atualizar os escalões do IRS em linha com a inflação prevista para 2020 (1%) e não com a inflação registada no último ano (0,3%), bem como a criação de um novo escalão de IRS para os mais ricos. Por outro lado, o PCP também quer um aumento mínimo de dez euros para todas as pensões ou ainda o fim das taxas moderadoras até final de 2021 e o englobamento de todos os rendimentos para os rendimentos superiores a 100 mil euros.

No final do debate na generalidade, o ministro das Finanças alertou para o perigo de “maiorias negativas” que juntem esquerda e direita e pediu aos partidos à esquerda do PS que não sejam despesistas quando apresentarem propostas.

Uma das estratégias que os partidos têm encontrado para responder a estes apelos de Mário Centeno — semelhantes aos que fez em Orçamentos anteriores — é a de apresentar propostas de alteração ao Orçamento geradoras de receita e que permitam financiar perdas de receita ou acréscimos de despesa resultantes do que querem incluir no Orçamento.

Este ano, depois das eleições legislativas de outubro passado, serão dez os partidos a entregar propostas de alteração ao Orçamento, o que poderá pesar no número final de propostas que vier a ser contabilizado pelos serviços do Parlamento.

No Orçamento do Estado de 2019, o número total de propostas já foi um recorde. Foram quase mil (991 mais precisamente). No Orçamento de 2018 foram 707 propostas de alteração, no de 2017 foram 510 e no de 2016 foram 249.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em menos de 24 horas já há 179 propostas para alterar o Orçamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião