OE2020: Finanças reiteram que “Portugal sempre cumpriu as metas” de Bruxelas

  • Lusa
  • 15 Janeiro 2020

Bruxelas considera que a proposta de OE continua a incorrer em risco de incumprimento das regras europeias. Em reação, Centeno sublinha que sempre cumpriu metas fixadas pela Comissão Europeia.

O Ministério das Finanças reiterou, esta quarta-feira, que “Portugal sempre cumpriu as metas estabelecidas” pela Comissão Europeia (CE), numa reação ao “risco de incumprimento” enunciado por Bruxelas relativamente a questões estruturais no plano orçamental português para 2019 e 2020.

“Portugal sempre cumpriu as metas estabelecidas, tendo superado as previsões da CE nos últimos quatro anos“, pode ler-se em resposta enviada à Lusa, em reação às recomendações da União Europeia conhecidas esta quarta-feira.

Segundo o executivo comunitário, “o saldo estrutural recalculado no plano orçamental atualizado está próximo do objetivo orçamental de médio prazo em 2020, mas a Comissão projeta um risco de desvio significativo do ajustamento necessário com vista ao objetivo orçamental de médio prazo em 2019 e 2020, com base numa avaliação global dos dois pilares”.

A Comissão Europeia “também é da opinião de que Portugal alcançou progressos limitados no que respeita à parte estrutural das recomendações orçamentais” apresentadas pelo Conselho em julho de 2019 no contexto do Semestre Europeu de coordenação de políticas económicas e orçamentais.

Na resposta à Lusa, as Finanças dizem que a Comissão Europeia defende “que o saldo estrutural (recalculado) se encontra próximo do objetivo de médio prazo em 2020, dentro da margem de tolerância associada a circunstâncias excecionais para as quais é autorizado um desvio temporário”.

“De acordo com as previsões da Comissão, o cenário macroeconómico subjacente ao DBP [‘Draft Budgetary Plan’ – esboço de plano orçamental] afigura-se, globalmente, realista para os anos de 2019 e 2020. Destaca-se ainda que Portugal cumpre o requisito de um orçamento baseado em previsões macroeconómicas aprovadas de modo independente, não tendo o CFP levantado reservas respeitantes às previsões subjacentes ao DBP”, argumenta o gabinete de Mário Centeno.

O próprio ministro já tinha feito referência, esta quarta-feira, às metas de Bruxelas, ainda antes da posição da Comissão Europeia ser conhecida, destacando que Portugal tem batido as previsões do executivo comunitário. “Temos feito trabalho, com enorme distinção, batendo, aliás, ano após ano, todas as previsões de Bruxelas, os modelos são assim, andam atrás da realidade e a realidade é que Portugal é hoje um país com orçamento equilibrado, ajustamento estrutural inegável e todas as dimensões das contas públicas“, disse Mário Centeno aos jornalistas, à margem da conferência da Ordem dos Economistas, em Lisboa.

Relativamente à dívida, a Comissão Europeia considerou, com base nas suas projeções, que Portugal fará “progressos suficientes” com vista ao cumprimento das metas de redução da dívida tanto para 2019 como para 2020.

A Comissão Europeia considera ainda que, “em termos globais, o cenário macroeconómico subjacente ao plano orçamental atualizado parece ser plausível”, tanto para 2019 como para 2020, referindo-se ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), inflação ou desenvolvimentos do mercado de trabalho.

Na proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) apresentada em 16 de dezembro, o Governo prevê um crescimento de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, segundo a proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), uma décima abaixo da previsão que estava inscrita no Projeto de Plano Orçamental submetido a Bruxelas em 15 de outubro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OE2020: Finanças reiteram que “Portugal sempre cumpriu as metas” de Bruxelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião