É oficial. Berlim vai mesmo congelar o preço das rendas durante cinco anos

Durante cinco anos, os preços das rendas em Berlim ficarão congelados e o metro quadrado não poderá custar mais do que 9,8 euros. Proprietários que não cumpram incorrem em multas de até 500.000 euros.

A proposta deu entrada há seis meses e, esta quinta-feira, acabou por ser aprovada. Os preços das rendas em Berlim vão mesmo ficar congelados durante cinco anos, numa tentativa de controlar o boom nos preços do imobiliário. A medida, que prevê um máximo de 9,8 euros por metro quadrado, deverá entrar em vigor até ao final do fevereiro, mas a oposição já avisou que vai contestar a decisão em tribunal.

“Não queremos que Berlim se torne uma cópia de cidades caras como Londres e Paris, onde muitas pessoas já não conseguem comprar um apartamento”, disse a deputada de esquerda do Die Linke, Katrin Lompscher, autora da proposta, durante o debate que antecedeu a votação do projeto de lei, citada pela Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês). Dos 150 votos parlamentares, 85 foram a favor e 64 contra, e uma abstenção.

A medida proposta pelo Governo — formado por uma coligação entre o Die Linke, o SPD e os Verdes — deverá entrar em vigor até ao final de fevereiro e o objetivo é tentar controlar o boom imobiliário que fez duplicar os preços do arrendamento na última década. Contudo, a oposição já anunciou que vai tomar medidas.

A União Democrata Cristã — o partido de Angela Merkel, que está na oposição — planeia contestar esta aprovação no Tribunal Constitucional da Alemanha “o mais rapidamente possível”, anunciou um porta-voz. Mas isso só pode acontecer quando a nova legislação entrar em vigor, ou seja, a partir de fevereiro, em princípio.

O que muda? Quais serão os tetos máximos?

O projeto de lei aprovado esta quinta-feira diz que os valores das rendas em Berlim não podem aumentar durante um período de cinco anos. Ou seja, a partir de agora, aos novos arrendamentos serão aplicados tetos máximos de rendas, diz o jornal BZ Berlin (conteúdo em alemão), que refere ainda que, caso as rendas estejam 20% acima do teto máximo, podem ser feitas atualizações nos pagamentos dos últimos nove meses. De fora desta nova lei ficam os edifícios construídos a partir de 2014 e habitações sociais.

No caso de um imóvel construído entre 2003 e 2013, o valor máximo do metro quadrado não poderá superar os 9,8 euros. Por exemplo, um T2 com 100 metros quadrados, com aquecimento central, não poderá ter uma renda superior a 980 euros. Contudo, para habitações com equipamentos mais modernos como cozinha equipada ou elevador, poderá ser cobrado um euro a mais por cada metro quadrado. Neste caso, o mesmo T2 passaria a custar 1.080 euros por mês aos inquilinos.

Limites máximos de preços por metro quadrado das rendas em Berlim.D.R.

De acordo com o mesmo jornal alemão, uma das formas de reduzir os preços das rendas passa por iniciativa dos próprios senhorios: estes devem fixar as rendas dentro dos respetivos tetos máximos, informando os inquilinos nos próximos dois meses, caso contrário incorrem em multas que podem ir até aos 500.000 euros. A partir de 2022, os proprietários poderão voltar a aumentar as rendas, mas de acordo com a com inflação de 1,3% ao ano.

Imobiliárias do setor rejeitam decisão. Ações caem na bolsa

Esta medida assustou de imediato os investidores e as declarações de protesto não se fizeram esperar. Em novembro, durante uma entrevista, Philip Grosse, responsável financeiro da Deutsche Wohnen, uma das maiores imobiliárias do país, já tinha afirmado que a lei não iria “sobreviver” a uma revisão do tribunal (caso a oposição avance mesmo com uma contestação), contudo, “os danos já tinham sido feitos”.

Além disso, um relatório publicado recentemente pelo Instituto de Economia Alemã (IW) refere que esta medida do Governo é uma “catástrofe” que “ameaça provocar danos consideráveis no mercado imobiliário e em Berlim como um todo”. Os mesmos economistas alertaram ainda que o preço de alguns imóveis na capital alemã poderá cair mais de 40%, resultado deste travão às rendas.

Michael Voigtlaender, economista do IW, citado pela Bloomberg, lamentou ainda o facto de Berlim se ter concentrado em controlar os preços do arrendamento, em vez de incentivar os investidores e promotores a construírem casas com rendas mais acessíveis, de forma a acompanhar o crescimento da população.

Com a aprovação desta medida, as consequências já se começaram a fazer sentir nas bolsas, com a queda das ações das maiores empresas do setor na Alemanha. A Deutsche Wohnen está a desvalorizar 0,7% para 38,18 euros, mas já esteve a perder mais de 2%. A Vonovia está a recuar 0,31% para 51,62 euros, enquanto a Adler Real Estate, com sede em Berlim, cai 0,97% para 12,24 euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É oficial. Berlim vai mesmo congelar o preço das rendas durante cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião