Fraudes equivalem a 6% dos sinistros automóveis declarados em Espanha

  • ECO Seguros
  • 30 Janeiro 2020

As fraudes com seguros automóveis em Espanha custaram 9200 milhões de euros em 10 anos. Só neste ramo, os esquemas mafiosos para burlar seguradoras pesavam 6% do total de sinistros declarados.

As fraudes com seguros no ramo automóvel em Espanha custaram 9200 milhões de euros em 10 anos. Só neste ramo, os esquemas mafiosos para burlar seguradoras representavam 6% do total de sinistros declarados em 2017 e 2018.

Os dados compõem o «V Barómetro del Fraude en el Seguro de Autos y de Hogar», elaborado pela Linea Directa, a maior companhia de seguro direto em Espanha. O documento apresentado por Francisco Valencia, diretor de Governo Corporativo, revela que o número de máfias organizadas envolvidas em fraudes triplicou desde 2013, aumentando 23% no último exercício.

Em 2013, quando a seguradora fez o primeiro levantamento de dados, foram contabilizadas 40 organizações envolvidas em burlas a seguradoras. Cinco anos depois, a pesquisa inventaria mais de 500 máfias. Não se trata de malandros ou delinquentes amadores, “são clãs organizados que normalmente se associam a outros tipos de delitos mais graves”, explica Valencia.

O barómetro, que pela primeira vez apresenta estatísticas sobre fraudes no seguro habitação, refere que as redes organizadas apresentam estruturas bastante hierarquizadas e centram-se sobretudo na montagem de fraudes baseadas em danos corporais. Em 90% dos casos, os esquemas visam reclamar indemnizações em montantes elevados (em média mais de 10 500 euros). Os casos de burla envolvendo particulares incidem sobre danos materiais e o montante médio reclamado aproxima-se dos 1 300 euros

O modus operandi’ consiste em situações recriadas em rotundas e em colisões que depois se vão sucedendo num esquema ‘em carrossel’ para enganar diferentes seguradoras, descreve o barómetro.

O custo total das fraudes no seguro automóvel, estimado em 9 200 000 000 euros no período entre 2009 e 2018, corresponde a 0,7% do PIB espanhol em 2018, realça a mesma fonte. Entre 2017 e 2018, seis em cada 100 acidentes automóveis participados em Espanha eram falsos, indica o documento da seguradora. O responsável da companhia reconhece ainda que o combate a este tipo de fraudes “é complicado” dado que as normas legais de Proteção de Dados dificultam a investigação, sobretudo quando se aborda a necessidade de intercâmbio de informação.

Mapa e calendário dos golpes; danos reputacionais e primeiras estatísticas para fraudes no seguro Habitação

Gerindo uma carteira com 2,4 milhões de veículos segurados em Espanha, a companhia traçou um mapa das fraudes analisando as mais de 60 mil burlas contabilizadas nos últimos cinco anos. As fraudes entre particulares registaram maior incidência no sul do país, com Jaén (8,2% dos casos), Sevilha (7,8%) e região de Murcia (7,6%) na frente, superando a distribuição média nacional (5,6%). Analisando o número de redes de fraude ativas em proporção da população (por comunidade autónoma), Murcia é a região com maior concentração de máfias que burlam seguradoras, seguida da Cantábria, Andaluzia e País Basco.

Junto com a geografia do fenómeno e de um breve perfil etário dos indivíduos que operam fraudes, o barómetro ensaia ainda um calendário para este tipo de criminalidade: os meses de março, abril e maio e, durante a semana, os dias de quarta e quinta-feira, são os preferidos para a prática das fraudes tendo como alvo as seguradoras. No mesmo documento, a lista de casos detetados nos vários anos de luta antifraude destapa tentativas de fraude que vão do pior burlesco às falsificações mais anedóticas, caracteriza o comunicado.

Mas a companhia sinaliza outra preocupação, não só pelos custos económicos, mas por causa do designado dano reputacional, relacionado com o fenómeno dos falsos agentes. A Linea Directa Aseguradora não opera com mediadores de seguros e, segundo revela a pesquisa, foram detetados burlões a venderem apólices falsas por 150 euros (com posterior confirmação online por canais igualmente falsos), sem que fossem emitidos recibos. Nesta categoria, perto de 70 pessoas caíram no ‘conto do vigário’ na região de Sevilha e, tendo sido detidos os falsificadores, agora esperam ser levados a julgamento, reporta a imprensa espanhola.

A 5ª edição do barómetro de fraudes integra a primeira pesquisa sobre burlas no seguro habitação. Aqui, por se tratar de um seguro que não é obrigatório, implicar alguma diferenciação em termos de coberturas e uma frequência mais baixa de sinistralidade, a possibilidade de fraude também fica mais restringida.

Apesar destas condicionantes, a proporção de fraudes neste produto surpreendeu a equipa responsável pelo barómetro: mais de duas em cada 100 participações de sinistros (2,4%) foram tentativas de fraude. Os casos de burla, ou tentativa de fraude no seguro habitação, aumentaram 31% no último ano, face ao anterior. Nos últimos dois anos, este seguro registou mais de 6 500 fraudes. O custo médio por ocorrência rondou 800 euros, centrando-se em danos materiais.

Considerando o custo total das fraudes neste tipo de seguro, a Línea Directa estima 166,2 milhões de euros por ano. Na tipologia dos esquemas utilizados, a simulação de acidentes (31%) e a tentativa de reembolso por danos anteriores à contratação do seguro (25%) são os mais utilizados.

A Linea Directa Aseguradora, detida em 100% pelo grupo Bankinter, é líder na distribuição direta de seguros automóveis em Espanha. Em termos de volumes, a companhia posiciona-se como a quinta maior do ramo automóvel, a décima no ranking de seguro Habitação e replica essa classificação no negócio não Vida.

A companhia encerrou o exercício de 2018 com um aumento de 7% no volume de prémios, totalizando 853 milhões de euros (+5,3% no ramo automóvel e +12,4% no seguro habitação), enquanto o resultado antes de impostos ascendeu aos 155,9 milhões de euros.

O rácio combinado situou-se nos 87,3%, ao nível dos melhores da indústria seguradora espanhola, com a taxa de sinistralidade a rondar os 66,5%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fraudes equivalem a 6% dos sinistros automóveis declarados em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião