Aplanet vence fase nacional do concurso de startups da Zurich

  • ECO Seguros
  • 2 Fevereiro 2020

A startup Aplanet venceu a fase nacional do concurso de inovação promovido pelo grupo Zurich. Agora vai desenvolver um projeto com a Zurich Portugal para competir ao nível da região EMEA.

Na segunda edição do Zurich Innovation Championship, foram contabilizadas 1358 candidaturas de 68 países, sendo 13 oriundas de Portugal. Do universo de candidaturas nacionais ao concurso, a Zurich Portugal selecionou cinco startups – Aplanet, Knok, loqr, YDATA e THEIA – que recentemente visitaram a sede do segurador em Lisboa para defenderem as suas propostas, junto do júri nacional.

Os projetos fazem frente aos desafios relacionados com o clima, saúde, automação e outros temas que possam pressionar e preocupar as gerações vindouras, explica a Zurich Portugal afirmando que as 13 candidaturas recebidas identificam startups «motivadas para contribuir para a disrupção no setor segurador».

“A sustentabilidade e a inovação influenciam todos os aspetos da nossa vida profissional e pessoal, incluindo as formas que escolhemos para nos protegermos, proteger a nossa família e os nossos bens. Com este concurso queremos desenvolver soluções para os desafios globais do planeta, contribuindo de forma positiva para a sociedade”, refere António Bico, CEO da Zurich Portugal, citado no comunicado da seguradora.

A Aplanet desenvolveu um software “intuitivo e customizável para que empresas, governos, câmaras municipais, estabelecimentos de ensino e ONG consigam otimizar a gestão na área da sustentabilidade, analisar e reportar o impacto das ações implementadas e gerir toda a informação não financeira numa só plataforma”, descreve a fonte.

A plataforma divide-se em quatro módulos complementares: Sustainability Analytics – para gestão e integração dos dados de informação não financeira ou ESG (Environment, Social and Governance) em alinhamento com os requisitos globais, como por exemplo, a Global Report Initiative, Integrated Reporting, Sustainability Accounting Standards Board e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU; Community – ferramenta para a gestão de voluntariado e doações (criação, gestão, análise do impacto e reporte das ações de responsabilidade social, assim como ações de envolvimento com diferentes públicos-alvo); Materiality – ferramenta para identificação dos temas prioritários e elaboração da matriz de materialidade; Equality – ferramenta para gestão de planos de diversidade e inclusão.

A solução apresentada surge para “combater os bloqueios comuns da área da sustentabilidade, nomeadamente: elevado peso de tarefas administrativas, dificuldade na avaliação do impacto social e ambiental das ações, alinhamento com os requisitos internacionais, envolvimento de diferentes públicos-alvo sejam internos ou externos e projeção interna e externa dos esforços e impactos da responsabilidade social corporativa”, explica a Zurich Portugal.

“A energia que sentimos das candidaturas que recebemos e das startups que acabámos de conhecer é suficiente para concluir que podemos desafiar os limites da transformação do setor segurador através da previsão e adaptação às constantes mudanças das necessidades e expetativas dos clientes e da personalização de serviços para os clientes”, acrescenta Carlos Fonseca, Chief Operating Officer da Zurich Portugal.

Nos próximos meses, a Aplanet vai desenvolver um projeto específico com a Zurich Portugal e, em junho, o projeto irá representar o nosso país na fase seguinte do concurso, a fase regional da EMEA (Europa, Médio Oriente e África). As oito melhores startups das fases regionais – EMEA, América do Norte, América Latina e Ásia-Pacífico – disputarão a final global no segundo semestre de 2020.

As soluções das três vencedoras mundiais serão desenvolvidas localmente através de projetos-piloto, com a ambição de posteriormente serem tornadas globais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aplanet vence fase nacional do concurso de startups da Zurich

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião