Espanhóis da Incus têm 600 milhões para investir em imobiliário. “Já temos vários projetos na mira”

A empresa de crédito de risco está em Portugal desde 2012 e, agora, lançou um fundo com 600 milhões de euros para investir no imobiliário de Portugal e Espanha.

Vieram de Espanha para o mercado nacional há sete anos e, desde então, já investiram muitos milhões de euros em empréstimos e no imobiliário. Os espanhóis da Incus Capital concedem financiamento a quem quer investir e dizem oferecer melhores condições do que os bancos. O foco agora é o imobiliário e, para isso, lançaram um fundo com 600 milhões de euros para investir no setor.

Investimos em empréstimos ou obrigações e em projetos em que acreditámos. Somos contactados por equipas e investidores, com ideias muito claras em relação aos projetos que querem levar a cabo, e nós alocamos capital a esses bons projetos”, explica ao ECO Tiago Brandão, responsável da Incus em Portugal.

Tiago Brandão, Portugal country manager da Incus Capital PartnersRita Neto/ECO

Desde 2012, ano em que entraram em território nacional, o balanço tem sido “bastante positivo”, mas agora é altura de novas apostas: o mercado imobiliário. Para isso, a empresa criou o Incus Senior Real Estate Credit Fund I, um fundo com 600 milhões de euros “para operações especificamente em imobiliário” na Península Ibérica. O primeiro negócio já aconteceu, em Madrid, avaliado em cerca de 30 milhões de euros.

Não temos nenhuma restrição nem nenhum limite de concentração para investir em Portugal. Se aparecerem muito boas operações, poderemos alocar grande parte desse capital cá”, detalhou o country manager, ressalvando que, para a empresa, Portugal é “extremamente importante”.

Mercado de escritórios e residencial. Projetos até 100 milhões

E, dentro do imobiliário, o foco já está definido e já há, inclusive, vários projetos na mira. “Estamos muito empenhados na estratégia de escritórios”, diz Tiago Brandão, notando a falta de espaços de escritórios no país. “Queremos oferecer área!”, sublinha. Mas o segmento residencial também se mostra bastante interessante para a Incus. “Já temos várias coisas em mira, estamos a falar de residencial”, continua.

A ideia da empresa de crédito de risco é usar os 600 milhões que tem disponíveis no novo fundo para investir em projetos que se mostrem rentáveis. “Vamos dar soluções de financiamento entre dez a 100 milhões de euros. Podem ser projetos relativamente pequenos a projetos bastante maiores, desde escritórios, retalho, residencial ou logístico”, explica o responsável.

“Nós temos condições mais flexíveis e isso permite que muitos investidores necessitem de pôr menos capital [do que poriam num crédito bancário]. A fatia de risco deles é reduzida porque é passada para nós”, detalha. Uma coisa é certa: a empresa está “num ciclo completamente de investimento”.

O objetivo da Incus são “edifícios que já estão construídos, mas que podem estar com algumas ineficiências ou com necessidade de investimento”, podendo vir a ser transformados em espaços novos. É o caso do edifício da Maló Clinic, que a empresa comprou à Caixa Geral de Depósitos em março do ano passado. “Se a Maló Clinic está lá, ótimo, desde que seja um bom inquilino e pague rendas. Mas o nosso valor não vai ser da parte que já está alugada, mas sim em modernizar o edifício, pôr novos equipamentos, para depois alugar os apartamentos que estão vazios”, explica.

Tiago Brandão acredita que, dentro de algum tempo, o mercado imobiliário nacional vai sofrer uma correção, mas isso não o preocupa, pelo contrário. “Isto vai corrigir eventualmente e, portanto, entraremos nós para preencher quando esse capital se retrair”, remata.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Espanhóis da Incus têm 600 milhões para investir em imobiliário. “Já temos vários projetos na mira”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião