Scor mantém processos judiciais contra Covéa e Barclays

  • ECO Seguros
  • 2 Fevereiro 2020

Um juiz britânico recusou um pedido do Barclays para adiar o processo movido pela Scor em ligação com outra ação judicial da resseguradora contra a Covéa.  

O processo contra o banco britânico é parte da ação legal que a Scor iniciou contra a Covéa e o seu CEO, Thierry Derez, por causa de uma tentativa infrutífera da mútua francesa para adquirir o negócio P&C (resseguro patrimonial e danos) da resseguradora em meados de agosto de 2018 por um montante estimado de 8,3 mil milhões de euros.

A Scor colocou a ação contra o Barclays no Reino Unido por quebra de confiança, alegando que este banco, enquanto consultor da Covéa, recebeu e aceitou informações confidenciais sobre a Scor.

As informações partilhadas, que a Scor alega terem sido obtidas por Derez devido ao mandato que este exercia na administração da Covéa, incluíam detalhes sobre uma potencial fusão com o grupo Partner RE, negociações que na altura a Scor negava terem sido formalizadas.

O Barclays, por seu lado, não reconhece ter praticado qualquer irregularidade alegando que as informações partilhadas não eram confidenciais, mas a Scor mantém os processos criminais contra Derez e a Covéa nos tribunais franceses por violação de confiança e ocultação da irregularidade.

Com o pedido junto do tribunal, o Barclays tentava suspender o processo que corre na justiça do Reino Unido até depois do resultado dos processos que decorrem em França. No entanto, a sentença proferida por um tribunal superior em Londres determina que a suspensão do processo aberto na jurisdição britânica representaria um “prejuízo substancial” para a Scor e um prejuízo “limitado” para o Barclays.

Uma moratória no processo do Reino Unido seria prejudicial para a Scor e potencialmente privaria o grupo francês de provas testemunhais que lhe permitiriam determinar a extensão de qualquer quebra de confiança pelo Barclays e Derez, disse o juiz.

Assim, as audiências judiciais deverão mesmo acontecer em maio de 2020 nas duas jurisdições.

A tentativa de aquisição que originou a disputa judicial atualmente a correr nos tribunais refere-se a uma proposta da Covea para comprar o negócio da Scor por 43 euros por ação, uma contrapartida que, segundo considerou o presidente e CEO da visada, Denis Kessler, “subestimava grosseiramente o verdadeiro valor” da Scor. 

Além do negócio de resseguro nos ramos P&C e Vida, que tornam a Scor a quarta maior resseguradora global, a companhia francesa desenvolve atividade na área de gestão de ativos.

De acordo com números relativos a 2018, o grupo Scor encerrou o exercício com 15,3 mil milhões de euros em volume bruto de prémios de resseguro (+7,1% de aumento anual a taxas de câmbio constantes) e 322 milhões de euros de lucro líquido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Scor mantém processos judiciais contra Covéa e Barclays

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião