Costa sobre o IVA da luz: “Espero que bom senso prevaleça para não pôr em causa o OE”

Proposta do PSD para IVA da luz levou o Governo a subir a pressão. O primeiro-ministro prefere esperar pelas votações, mas lembra que na crise dos professores a ameaça de demissão deu resultado.

António Costa espera que o “bom senso prevaleça para não pôr em causa o OE”, mostrando assim esperança que a nova proposta de descida do IVA da luz feita esta manhã pelo PSD não seja aprovada. O primeiro-ministro disse que a proposta dos sociais-democratas é “financeiramente insustentável” e que o problema não é tanto no Orçamento deste ano, mas sim no próximo.

O PSD entregou esta manhã uma nova proposta de redução do IVA da luz que substitui a primeira e que adia de 1 de julho para 1 de outubro a entrada em vigor da nova taxa de IVA para a eletricidade. A perda de receita, estimada em 98 milhões de euros, é compensada por cortes nos gabinetes ministeriais (menos do que na primeira proposta) e um ajustamento ao saldo orçamental.

A entrega desta na proposta mesmo em cima das votações abre a possibilidade de uma coligação negativa. O BE já disse que acompanha a proposta do PSD, faltando saber o que decide o PCP.

Assim que foi conhecida a proposta, o Governo e o PS aumentaram a pressão, lembrando que o custo anual da medida é de 800 milhões de euros e que pode pôr em causa este Orçamento e o próximo, bem como as condições de governabilidade.

Questionado pelos jornalistas, em Bruxelas, sobre se poderia abrir uma crise política como aconteceu com os professores no Orçamento de 2019, o primeiro-ministro afirmou não se querer “antecipar o resultado das votações” – agendadas para hoje mas adiadas para o final do dia a pedido do PS -, mas recordou que “o que aconteceu há uns meses foi a aprovação de uma norma irresponsável. Ainda bem que existiu essa resposta [do Governo] porque houve correção dessas medidas”.

Os jornalistas insistiram se desta vez pondera demitir-se se a proposta do PSD for aprovada. “Eu não falei nesse assunto, nem pus as questões nesses termos”, disse.

Costa voltou a destacar os benefícios da proposta do Governo em contraposição com a do PSD que considera “financeiramente insustentável”, e que não respeita os princípios ambientais e é “socialmente injusta”.

O líder do Executivo argumentou que esta descida do IVA da luz “significa perder 800 milhões de euros” em receita fiscal e, como se trata de uma decisão estrutural, “a questão não é equilibrar o OE este ano”, mas sim os próximos. O primeiro-ministro disse ainda que o Governo “não viola” regras da União Europeia, numa alusão ao facto de a proposta do PSD apenas baixar o IVA referente ao consumo doméstico.

(Notícia atualizada)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa sobre o IVA da luz: “Espero que bom senso prevaleça para não pôr em causa o OE”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião