Revista de imprensa internacional

  • ECO
  • 5 Fevereiro 2020

Progressos na cura do coronavírus, fecho da compra da Gamesa pela Siemens, fecho de lojas da Macys, recorde de vendas online em França e pedido de horário de trabalho mais curto nas bolsas em foco.

Os avanços na busca de uma cura para o coronavírus está em destaque na imprensa internacional no dia em que se sabe que a Siemens comprou 8,07% da Gamesa à Iberdrola por 1.100 milhões, que a cadeia Macys vai fechar 125 lojas e dispensar 2.000 trabalhadores. Nota ainda para o comércio online francês que bateu recordes em 2019 ao superar os 100 mil milhões de euros e para os trabalhadores das bolsas que querem trabalhar menos horas.

Sky News

Coronavírus: Britânicos fazem “avanço significativo” na corrida pela vacina

O cientista responsável por investigar uma cura para o coronavírus no Reino Unido anunciou esta quarta-feira que a sua equipa fez um “avanço significativo” ao conseguir reduzir uma parte do tempo normal de desenvolvimento “de dois a três anos para apenas 14 dias”. Robin Shattock, do Imperial College de Londres, disse que vão começar a testar a vacina em animais já na próxima semana e os primeiros exames em humanos acontecerão no verão, se houver financiamento suficiente. Leia a notícia completa na Sky News (acesso livre, conteúdo em inglês).

Cinco Días

Siemens compra 8,07% da Gamesa à Iberdrola por 1.100 milhões

Chegou ao fim uma longa disputa entre a Siemens e a Iberdrola sobre a administração da Siemens Gamesa, em que ambas empresas têm parques eólicos desde 2017. A Siemens adquiriu, por 1.100 milhões de euros, a participação de 8,07% que a Iberdrola detinha na Gamesa, o equivalente a um preço de 20 euros por ação. Com esta operação, a Siemens Gamesa passa a valer mais de 13,6 mil milhões de euros. Leia a notícia completa no Cinco Días (acesso livre, conteúdo em espanhol).

The Guardian

Cadeia Macy’s fecha 125 lojas e corta 2.000 postos de trabalho

A retalhista norte-americana Macy’s anunciou que vai encerrar 125 lojas. O objetivo da cadeia é deixar os centros comerciais e concentrar-se em lojas mais pequenas em espaços ao ar livre. Nesse processo, a Macy’s pretende ainda reduzir 2.000 postos de trabalho tanto na sede em Cincinnati e nos gabinetes tecnológicos em São Francisco. A empresa prevê poupar 1,5 mil milhões de dólares com esse processo até 2022. Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês).

Le Monde

Comércio online francês bate recordes. Supera os 100 mil milhões em 2019

França tinha, no quarto trimestre de 2019, mais de 16,27 milhões de pessoas a fazerem compras online. O número mostra uma subida face aos 13,16 milhões registados em 2018 e, pela primeira vez, as vendas através da Internet ultrapassaram os 100 mil milhões de euros, um aumento de 11,6% face a 2018, e quatro vezes mais do que nos últimos dez anos. Leia a notícia completa no Le Monde (acesso livre, conteúdo em francês).

Bloomberg

Traders querem trabalhar menos horas

Os operadores das bolsas de mercados, que tem das jornadas de trabalho mais longas do mundo querem horários mais curtos. Uma sondagem da Bloomberg indica que 74% dos profissionais do setor financeiro — incluindo traders, analistas e gestores — são favoráveis a reduzir o período de negociação das bolsas europeias (atualmente de 8h30) que ultrapassa em duas horas o horário das pares norte-americanas. Os resultados dessa sondagem surgem depois de no final do ano passado, representantes da banca de investimento terem enviado uma carta às bolsas europeias a pedir um corte no horário de negociação. Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso livre, conteúdo em inglês).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião