Exportações na região Norte crescem. Emprego na indústria transformadora desce

No terceiro trimestre, as exportações no Norte cresceram 3,2%, contrariamente ao emprego na indústria transformadora que desceu significativamente. Houve perda líquida de 16.800 postos de trabalho.

As exportações de bens da Região do Norte cresceram 3,2% no terceiro trimestre de 2019, em termos homólogos, invertendo a tendência de queda observada no trimestre anterior (-1,7%). O crescimento das exportações foi impulsionado, sobretudo, pela venda de “automóveis, outros veículos terrestres, partes e acessórios” e “máquinas, aparelhos e materiais elétricos, som e imagem”.

No terceiro trimestre de 2019, as exportações de bens, cresceram em Braga (14,0%) e em Vila Nova de Gaia (9,4%) e diminuíram em Vila Nova de Famalicão (-1,1%), Guimarães (-1,8%) e na Maia (-3,4%).

Por NUTS III, em termos homólogos, as exportações de bens no período analisado aumentaram no Douro (17,4%), no Cávado (10,6%), no Tâmega e Sousa (6,1%), no Alto Minho (5,1%) e na Área Metropolitana do Porto (3,2%). Ao mesmo tempo, as exportações diminuíram no Ave (-1,5%), no Alto Tâmega (-6,1%) e em Terras de Trás-os-Montes (-6,5%).

Norte Conjuntura, boletim trimestral da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).Norte Conjuntura

O boletim trimestral da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) indica que a Área Metropolitana do Porto é a “mais exportadora”, com 50,3% das exportações regionais, destacando que as “variações mais significativas” foram no Douro e no Cávado (10,6%), “muito impulsionadas pelas trocas comerciais de máquinas e aparelhos”.

Emprego da Região do Norte aumenta 0,6%

A população empregada da Região do Norte, no terceiro trimestre de 2019, alcançou o valor de 1.716,2 mil indivíduos traduzindo-se num crescimento homólogo de 0,6%, uma ligeira aceleração face ao crescimento verificado no trimestre anterior (0,5%).

Segundo o relatório, os principais indicadores do mercado de trabalho da Região Norte continuaram a evidenciar sinais de abrandamento.

No terceiro trimestre de 2019, o emprego das indústrias transformadoras da Região do Norte diminuiu 3,7%, em termos homólogos, o que implicou a perda líquida de 16.800 postos de trabalho, a maior queda observada entre todos os ramos de atividade. No seu conjunto o setor secundário (indústria, construção, energia e água) registou uma redução homóloga de 1,6%, invertendo uma tendência de crescimento que se verificava há 12 trimestres.

Já o emprego do setor primário (agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca) registou um crescimento homólogo de 3,0% neste terceiro trimestre, interrompendo 11 trimestres consecutivos em queda.

E no setor dos serviços houve um crescimento homólogo de 1,6%, em ligeira aceleração face ao observado no trimestre anterior (1,2%). O melhor desempenho foi mesmo ao nível do emprego na saúde humana e apoio social cresceu em 11,6%, tendo sido criados mais 16.300 postos de trabalho, em termos líquidos.

Desemprego apresenta ligeiro agravamento

No terceiro trimestre de 2019 a taxa de desemprego da Região do Norte atingiu o valor de 6,6%, o que representa um aumento de 0,4 pontos percentuais face ao trimestre anterior. Mas em termos homólogos, a taxa de desemprego reduziu em 0,6 pontos percentuais.

Por outro lado, os salários médios líquidos por conta de outrem do setor primário (agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca) registaram um crescimento de 28,4% no terceiro trimestre de 2019 face ao trimestre homólogo de 2018, tendo sido o maior aumento entre os setores de atividade da Região do Norte.

Nas indústrias transformadoras e no comércio por grosso e a retalho, os ramos geradores de mais emprego (39,4% do total da Região do Norte), o crescimento salarial foi de 2,4% e 2,6%, respetivamente.

Contrariamente ao ramo da Administração Pública, Defesa e Segurança Social obrigatória (-5,7%), as outras atividades de serviços (-6,5%) e as atividades imobiliárias (-36,4%) que observaram as maiores reduções dos salários médios líquidos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exportações na região Norte crescem. Emprego na indústria transformadora desce

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião