Ervideira vai atrás dos turistas. Abre lojas em Fátima e Lisboa

Empresa de vinhos alentejana acaba de apostar na abertura de mais duas lojas em Lisboa e Fátima. Próximo mês quer abrir em Castelo de Vide. A expansão representa um investimento de 300 mil euros.

A Ervideira, produtora de vinhos alentejana, acaba de anunciar a abertura de três novas lojas em Lisboa, Fátima e Castelo de Vide. Um investimento superior a 300 mil euros que tem como objetivo reforçar a presença da empresa no enoturismo.

Estes dois novos espaços vão juntar-se às lojas de Reguengos de Monsaraz e de Évora. A primeira loja deste processo de expansão foi inaugurada perto do Santuário de Fátima, no fim de semana passado.

Todos estes investimentos refletem a aposta da empresa no enoturismo. “Até aqui, esta área tem representado a nossa maior fonte de receitas e acreditamos que grande parte se deve ao facto de termos acesso direto ao consumidor/turista”, explica em comunicado Duarte Leal da Costa, diretor executivo da Ervideira.

A escolha destas três cidades prende-se com o motivo da empresa quer estar presente em zonas de turismo. “Se pensarmos bem, Fátima é dos destinos mais procurados em Portugal, depois de Lisboa, Porto e Algarve. Só no ano passado passaram mais de oito milhões de pessoas por aquela localidade. Mais, trata-se de uma região sem grande histórico de produção vínica, o que nos permite ter uma vantagem competitiva bastante interessante nesta fase inicial”, refere Duarte Leal da Costa.

Loja chega ao turismo da capital

O processo de expansão não fica por aqui e a Ervideira vai inaugurar, no próximo fim de semana, 15 e 16 de fevereiro, uma nova loja em Lisboa. O lugar escolhido foi o Restelo uma vez que a empresa que estar na rota turística na cidade.

“O Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém são dois dos monumentos mais visitados no país. Não queremos ser apenas mais um espaço com venda de vinhos, mas sim um local onde os consumidores e turistas podem encontrar as nossas melhores referências e ter uma experiência memorável”, explica o diretor executivo da Ervideira.

Duarte Leal da Costa acrescenta ainda que “pelo simples facto de os turistas estarem de férias, têm, à partida, uma maior predisposição para este tipo de programas”, refere.

A Ervideira tem cerca de 160 hectares de vinha e conta com mais de 100 anos de história ligada aos vinhos. A empresa promete não ficar por aqui e já comunicou que tenciona abrir uma wine shop, localizada em Castelo de Vide, no próximo mês, em regime de franchising.

Para além da venda de vinhos alentejanos, as novas lojas tem a peculiaridade de ter um espaço onde os clientes podem degustar de um copo de vinho acompanhado de um petisco alentejano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ervideira vai atrás dos turistas. Abre lojas em Fátima e Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião