Um Brunch com vista para o Tejo

No Bairro Alto Hotel, os fins de semana começam com um brunch que pode ser servido no Terraço com os nossos olhos divididos entre as especialidades do BAHR e a vista arrebatadora sobre o Tejo.

Entre aquele sol de inverno que nos aquece e a luz que só Lisboa tem. Percorremos a Carta do Brunch de fim de semana do recém-inaugurado Bairro Alto Hotel. Há frutas e granola, viennoiserie e seleção de pão de trigo, cereais ou sem glúten e até a manteiga e as compotas são caseiras. Há cinco variedades de ovos, dos beneditos aos ovos mexidos com cogumelos chineses e queijo da Ilha; seguindo a carta há snacks entre tártaro de porco alentejano ou ostras moinho dos ilhéus com gaspacho alentejano. E são seis os pratos principais difíceis de escolher entre o arroz de carabineiros, ao tártaro de vaca maturada com couve roxa e dashi de ovo. Já para os mais gulosos nada como terminar com uma das sobremesas como o cheesecake de Mascarpone com mel de urze e azeite “olmais” ou um pudim de ovos e folha de figueira.

 

É a nova Carta do Brunch que nos traz a conhecer o hotel que reabriu com muitas novidades, mas com a alma de sempre. A verdade é que depois de um período de renovação – e crescimento, o primeiro boutique hotel de cinco estrelas de Lisboa reinventou-se e renasceu com o espírito de sempre, mas com maior e melhor oferta. A vista, essa, continua a ser uma das melhores da cidade, com o Tejo mesmo em frente.

Com a nova dinâmica da cidade, o Bairro Alto Hotel virou-se para o futuro, numa grande operação de ampliação e renovação que fez renascer um novo hotel, com o dobro da área, mas mantendo o conceito boutique 5 estrelas. E com as mudanças vierem mais serviços e novidades, no alojamento com as novas suítes, mas também na restauração com a abertura de vários espaços do qual se destaca um restaurante com a assinatura de Nuno Mendes, chef português com uma carreira de sucesso em Londres.

Mantendo a traça original, mas ancorado no século XXI, o projeto de arquitetura do Hotel tem a assinatura do Arquiteto Souto de Moura. Os interiores ficaram a cargo do Atelier Bastir (exceto o restaurante BAHR e o Terraço), que já tinha sido o responsável pelo projeto em 2005. E o thestudio assumiu o projeto de interiores do restaurante BAHR e do Terraço, assim como a identidade gráfica do hotel. Todos trabalharam com a missão de manter intacto o ADN do Bairro Alto Hotel, projetando-o para os dias de hoje. Um ADN que dá ao Hotel um sentido de pertença ao bairro onde está, renascendo como o mesmo charme e o luxo que faz sentido também na sua localização privilegiada, uma das praças mais icónicas da capital.

 

Nesta nova fase do Bairro Alto Hotel mantém-se a visão de abrir as portas à comunidade local e ao exterior, não sendo apenas um hotel para os seus hóspedes, mas que quer receber os lisboetas e todos os que visitam ou vivem a cidade.

“Foi importante ter áreas novas e distintas para proporcionar uma oferta completa aos hóspedes, assim como ao bairro onde estamos inseridos. Um dos objetivos desta renovação foi devolver à cidade este quarteirão que estava, em parte, devoluto, com uma oferta que fizesse sentido para o hotel e para o bairro”, refere João Prista Von Bonhorst, diretor geral do hotel.

 

Num quarteirão nobre, na fronteira de dois bairros históricos – o nobre e elegante Chiado, e o alternativo e boémio Bairro Alto –, que marcam a identidade do hotel, e jogando numa harmonia entre o clássico e o contemporâneo, o passado e o presente, sempre com um toque de irreverência e os olhos postos no futuro. “O objetivo principal foi não se perder a identidade Bairro Alto Hotel e apresentar o mesmo hotel 14 anos depois, um pouco mais contemporâneo. A nossa principal preocupação foi que uma pessoa entrasse no hotel após a reabertura e sentisse o espírito Bairro Alto Hotel. Manter intacto o ADN”, sublinha Marta Tavares da Silva, administradora.

 

A experiência não se esgota por isso no Brunch. Nem no fim de semana. Qualquer hora ou dia é um bom motivo para conhecer este novo projeto na capital.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um Brunch com vista para o Tejo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião