Um Brunch com vista para o Tejo

No Bairro Alto Hotel, os fins de semana começam com um brunch que pode ser servido no Terraço com os nossos olhos divididos entre as especialidades do BAHR e a vista arrebatadora sobre o Tejo.

Entre aquele sol de inverno que nos aquece e a luz que só Lisboa tem. Percorremos a Carta do Brunch de fim de semana do recém-inaugurado Bairro Alto Hotel. Há frutas e granola, viennoiserie e seleção de pão de trigo, cereais ou sem glúten e até a manteiga e as compotas são caseiras. Há cinco variedades de ovos, dos beneditos aos ovos mexidos com cogumelos chineses e queijo da Ilha; seguindo a carta há snacks entre tártaro de porco alentejano ou ostras moinho dos ilhéus com gaspacho alentejano. E são seis os pratos principais difíceis de escolher entre o arroz de carabineiros, ao tártaro de vaca maturada com couve roxa e dashi de ovo. Já para os mais gulosos nada como terminar com uma das sobremesas como o cheesecake de Mascarpone com mel de urze e azeite “olmais” ou um pudim de ovos e folha de figueira.

 

É a nova Carta do Brunch que nos traz a conhecer o hotel que reabriu com muitas novidades, mas com a alma de sempre. A verdade é que depois de um período de renovação – e crescimento, o primeiro boutique hotel de cinco estrelas de Lisboa reinventou-se e renasceu com o espírito de sempre, mas com maior e melhor oferta. A vista, essa, continua a ser uma das melhores da cidade, com o Tejo mesmo em frente.

Com a nova dinâmica da cidade, o Bairro Alto Hotel virou-se para o futuro, numa grande operação de ampliação e renovação que fez renascer um novo hotel, com o dobro da área, mas mantendo o conceito boutique 5 estrelas. E com as mudanças vierem mais serviços e novidades, no alojamento com as novas suítes, mas também na restauração com a abertura de vários espaços do qual se destaca um restaurante com a assinatura de Nuno Mendes, chef português com uma carreira de sucesso em Londres.

Mantendo a traça original, mas ancorado no século XXI, o projeto de arquitetura do Hotel tem a assinatura do Arquiteto Souto de Moura. Os interiores ficaram a cargo do Atelier Bastir (exceto o restaurante BAHR e o Terraço), que já tinha sido o responsável pelo projeto em 2005. E o thestudio assumiu o projeto de interiores do restaurante BAHR e do Terraço, assim como a identidade gráfica do hotel. Todos trabalharam com a missão de manter intacto o ADN do Bairro Alto Hotel, projetando-o para os dias de hoje. Um ADN que dá ao Hotel um sentido de pertença ao bairro onde está, renascendo como o mesmo charme e o luxo que faz sentido também na sua localização privilegiada, uma das praças mais icónicas da capital.

 

Nesta nova fase do Bairro Alto Hotel mantém-se a visão de abrir as portas à comunidade local e ao exterior, não sendo apenas um hotel para os seus hóspedes, mas que quer receber os lisboetas e todos os que visitam ou vivem a cidade.

“Foi importante ter áreas novas e distintas para proporcionar uma oferta completa aos hóspedes, assim como ao bairro onde estamos inseridos. Um dos objetivos desta renovação foi devolver à cidade este quarteirão que estava, em parte, devoluto, com uma oferta que fizesse sentido para o hotel e para o bairro”, refere João Prista Von Bonhorst, diretor geral do hotel.

 

Num quarteirão nobre, na fronteira de dois bairros históricos – o nobre e elegante Chiado, e o alternativo e boémio Bairro Alto –, que marcam a identidade do hotel, e jogando numa harmonia entre o clássico e o contemporâneo, o passado e o presente, sempre com um toque de irreverência e os olhos postos no futuro. “O objetivo principal foi não se perder a identidade Bairro Alto Hotel e apresentar o mesmo hotel 14 anos depois, um pouco mais contemporâneo. A nossa principal preocupação foi que uma pessoa entrasse no hotel após a reabertura e sentisse o espírito Bairro Alto Hotel. Manter intacto o ADN”, sublinha Marta Tavares da Silva, administradora.

 

A experiência não se esgota por isso no Brunch. Nem no fim de semana. Qualquer hora ou dia é um bom motivo para conhecer este novo projeto na capital.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Um Brunch com vista para o Tejo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião