Arnaut responde ao presidente da TAP. “Resultados mostram quem percebe do setor”

José Luís Arnaut, presidente da ANA, desmente Antonoaldo Neves sobre o financiamento do aeroporto de Lisboa. "Nunca se viu uma empresa pública deficitária a financiar uma empresa privada lucrativa".

Às críticas do presidente executivo da TAP sobre os conhecimentos da Vinci, dona da ANA, sobre o setor da aviação, o chairman da concessionária de aeroportos nacionais é claro: “Relativamente a conhecimento de aviação, nada melhor que os resultados das empresas para avaliar quem percebe do setor”, afirma José Luís Arnaut ao ECO, numa referência explícita aos mais de 100 milhões de euros de prejuízos registados pela companhia aérea em 2019.

Antonoaldo Neves concedeu este fim de semana uma entrevista ao jornal espanhol El País com ataques diretos à Vinci. “Não sabia nada de aeroportos. Portugal foi a sua primeira experiência”, disse o gestor. Para o chairman da ANA, “não é a primeira vez que o CEO da TAP utiliza a ANA como bode expiatório para tentar justificar os resultados da sua gestão, incorrendo em declarações distantes da realidade”.

“A ANA desmente que alguma vez tenha havido qualquer proposta de financiamento das infraestruturas por parte da TAP. Seria, aliás, estranho uma empresa maioritariamente do Estado, ou seja pública e deficitária estar a financiar uma empresa privada lucrativa concessionária do Estado”, afirma José Luís Arnaut. “Mas não será por isso que deixaremos de procurar o melhor para a TAP, mas que também seja o melhor para o interesse geral na operação das infraestruturas”.

"A ANA desmente que alguma vez tenha havido qualquer proposta de financiamento das infraestruturas por parte da TAP. ”

José Luís Arnaut

O presidente da TAP tinha afirmado ao El País que projeto da Vinci [ANA] para a expansão do aeroporto “só favorece 20% dos movimentos”. “Oferecemos uma solução que favorecia 100% dos movimentos, mas a Vinci não quis. Propusemos pagar a obra, mas [a Vinci] também não quis”, acrescentou. “É incompreensível a sua posição, quero crer que é um grupo que não sabe nada de aviação quando aqui chegaram e que, no futuro, fará melhor”.

José Luís Arnaut explica o que está em causa no projeto de expansão do atual aeroporto de Lisboa. “Neste sentido, a saída rápida em construção oferecerá aos aviões de tipo A320 ou B737 a possibilidade de sair mais rapidamente da pista 03, contribuindo para uma utilização mais eficiente da pista, reduzindo o tempo de circulação dos aviões, das emissões de CO2, e permitindo uma melhor absorção dos atrasos, sendo por todos estes motivos benéfico para todos. Sendo uma opção, ninguém estará obrigado a utilizar essa saída rápida. Vários operadores, que também conhecem os aviões, já confirmaram a intenção de a utilizarem”.

O presidente do conselho de administração da ANA acrescenta ainda que “a saída rápida da pista 03 comporta duas fases : a fase 1, já em construção, aportará benefícios imediatos à operação no aeroporto de Lisboa. A fase 2 será realizada assim que a ANA tiver a autorização de utilizar uma parte do terreno ocupado pelo AT1 militar, e constituirá uma melhoria da fase 1”.

A entrevista de Antonoaldo Neves ao El País foi mal recebida na ANA, e entendida como uma desculpa da TAP para mais um ano de prejuízos. Desde logo porque a Vinci assume-se como o maior operador privado de aeroportos do mundo, com mais de 45 aeroportos em países como o Brasil, a França, o Japão ou a Suécia. E geriram mais de 255 milhões de passageiros em 2019.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arnaut responde ao presidente da TAP. “Resultados mostram quem percebe do setor”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião