Reino Unido rejeita supervisão e regras europeias nas negociações pós-Brexit

  • Lusa
  • 17 Fevereiro 2020

"É fundamental para a nossa visão que possamos ter a capacidade de estabelecer leis que nos convêm", disse o negociador-chefe, David Frost.

O Reino Unido rejeita a supervisão ou qualquer tipo de regras europeias num futuro acordo pós-Brexit, afirmou o negociador-chefe, David Frost, num discurso em Bruxelas.

“Pensar que poderíamos aceitar a supervisão da UE [União Europeia] nas chamadas questões de igualdade de condições equitativas é ignorar o que estamos a fazer”, afirmou na universidade ULB de Bruxelas.

“É fundamental para a nossa visão que possamos ter a capacidade de estabelecer leis que nos convêm – reivindicar o direito que todos os outros países fora da UE têm, acrescentou.

Frost vincou que rejeitar qualquer intromissão da UE em regras e regulamentos britânicos “é o objetivo de todo o projeto” de deixar o bloco após 47 anos, e reiterou a recusa em estender as negociações com Bruxelas para além do final de 2020.

No dia 1 janeiro de 2021, disse, “recuperamos completamente a nossa independência política e económica – por que quereríamos adiá-la?”

A UE disse que deseja uma relação comercial estreita com o Reino Unido, mas apenas se este aceitar condições equitativas para as empresas, desde normais ambientais e laborais a respeitar regras sobre subsídios estatais.

O Reino Unido manifestou o desejo de negociar um acordo de comércio livre semelhante ao que foi negociado por Bruxelas com o Canadá, que removeu 98% das tarifas sobre bens e que inclui o respeito de algumas regras, mas não implica um alinhamento “dinâmico”, que acompanhe conforme a UE introduza mudanças.

As negociações devem começar no início do próximo mês, tendo vários especialistas e dirigentes da UE avisado de que será difícil obter um acordo abrangente num espaço de tempo tão curto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido rejeita supervisão e regras europeias nas negociações pós-Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião