Coronavírus ameaça receitas da Apple. Wall Street cede à pressão

A Apple antevê falhar metas de vendas neste trimestre devido à menor procura chinesa por iPhones em resultado da epidemia do coronavírus. As ações norte-americanas não resistiram e fecharam em queda.

As ações norte-americanas encerraram no vermelho, nesta terça-feira, aliviando dos recordes estabelecidos no final da semana passada. Wall Street não resistiu à ameaça do coronavírus que obrigou a Apple a alertar que pode falhar as suas metas de vendas devido à epidemia.

O S&P 500 desvalorizou 0,29%, para os 3.370,28 pontos, enquanto o Dow Jones perdeu 0,56%, para os 29.232,28 pontos. Já o Nasdaq deslizou uns ligeiros 0,02%, para os 9.729,09 pontos.

O sentimento negativo imperou entre os investidores norte-americanos depois de, na segunda-feira, a Apple ter dado conta de que poderá não conseguir cumprir com o objetivo de vendas traçado para o trimestre que termina no final de março, em resultado da quebra da produção do iPhone e da procura mais fraca na China em resultado da epidemia do coronavírus.

As ações da Apple recuaram 1,8%, contagiando fornecedores como a Qualcomm, Broadcom, Skyworks e Qorvo que registam desvalorizações entre 1,8% e 2,6%.

“Foi mais do que os analistas esperavam da Apple”, afirmou Quincy Krosby, responsável pela estratégia de mercados da Prudential Financial, citada pela Reuters.

“Haverá mais empresas” a citar o impacto do vírus, defendeu a especialista, acrescentando, contudo, ser “difícil imaginar, especialmente no setor da tecnologia, uma que seja tão proximamente correlacionada com a China” como acontece com a Apple.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus ameaça receitas da Apple. Wall Street cede à pressão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião