Ordem dos Advogados recebeu três comunicações de branqueamento num só mês

  • ECO
  • 19 Fevereiro 2020

O novo bastonário da Ordem dos Advogados tomou posse a 14 de janeiro e já recebeu, desde então, três comunicações relativas a operações suspeitas. Ao longo de todo o ano de 2019 foram apenas cinco.

Por lei, os advogados estão obrigados a reportarem operações suspeitas de branqueamento de capitais. O novo bastonário da Ordem dos Advogados tomou posse a 14 de janeiro e já recebeu, desde então, três comunicações relativas a operações suspeitas. Os números foram revelados por Luís Menezes Leitão ao Jornal de Negócios (acesso pago) e comparam com apenas cinco recebidas ao longo de todo o ano de 2019 pelo antecessor, Guilherme Figueiredo.

As comunicações feitas no âmbito da lei de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo foram encaminhadas para a Procuradoria-Geral da República. Luís Meneses Leitão não encontra justificação para o aumento, dizendo apenas que “a lei está em vigor e é para cumprir”.

Em causa está a lei de branqueamento de capitais está em vigor desde setembro de 2017 e que resulta de uma transposição de uma diretiva comunitária que obriga os advogados a reportarem casos suspeitos. Contudo, nunca foi bem recebida pela generalidade dos advogados, por alegadamente colocar em causa o sigilo profissional e minar a relação de confiança com os clientes. O tema vai ainda voltar a ser discutido “até ao final de março” na Ordem dos Advogados através de um regulamento interno, garante o bastonário. A ideia passa por regular os procedimentos das comunicações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ordem dos Advogados recebeu três comunicações de branqueamento num só mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião