130 milhões de clientes: UnitedHealth é a maior seguradora do mundo

  • ECO Seguros
  • 23 Fevereiro 2020

As seguradoras de saúde dos Estados Unidos estão pujantes, mas a chinesa Ping An já é a terceira maior mundial e previsivelmente ultrapassará a segunda AXA este ano. As europeias estagnam.

Os seguradores de saúde foram os que mais cresceram os seus negócios à escala mundial em 2018. O ranking tradicionalmente estabelecido pela agência de rating A.M.Best, revelou a consolidação da norte americana UnitedHealth Group como maior companhia do mundo, bem como o contínuo crescimento da Ping An que subiu o seu volume de prémios em perto de 20% e tornou-se a maior chinesa, ultrapassando a China Life, tradicional líder naquela região.

A UnitedHealth cresceu 12,39% o seu volume de prémios emitidos, e atingiu os 178 mil milhões de dólares. É a campeã de um sistema privado de saúde que predomina nos Estados Unidos. Tem 130 milhões de clientes, envolve 320 mil colaboradores dos quais 90 mil são clínicos, está domesticamente implantada nos 50 estados, mas alcança 130 países.

Com um crescimento de 25% de 2017 para 2018, a seguradora de saúde norte americana Centene pulou 6 lugares no ranking, registando a subida mais relevante do ano. Esta companhia fundada em 1984 tem baseado a sua expansão essencialmente em aquisições como a da Health Net em 2016 e da mais recente WellCare por 17 mil milhões de dólares e que transforma a Centene – que entretanto também se expandiu geograficamente em quatro novos estados – numa empresa com 22 milhões de clientes só entre os planos de saúde subsidiados pelo Governo dos EUA.

Também o Kaiser Foundation, outro grupo baseado em Saúde, subiu ao 5º lugar com um crescimento de 10% nos seus prémios. Os restantes lugares do ranking mantiveram-se mais estáveis devido a desempenhos regulares em 2018. A Anthem, mais uma seguradora de saúde com 40 milhões de membros, manteve a 6º lugar, Allianz – perdeu dois lugares por estagnação do volume de prémios, Generali, State Farm, conservam 8º e 9º lugares e a chinesa People Insurance fecha o top ten, tal como um ano antes.

Sede do grupo UnitedHealth, em Minnetonka, Minnesota. Deste edifício, numa cidade com 50 mil habitantes a 2 mil kms de Nova Iorque, são orientados 130 milhões de clientes em todo o Mundo.

A AXA, maior empresa com sede europeia, manteve a posição de segunda maior do mundo crescendo apenas 3% apesar da compra do XL Group durante o ano de 2018 que ainda foi a tempo de aumentar as suas linhas comerciais na contabilidade do grupo francês. A Ping An deverá ultrapassar a AXA no próximo ano, tornando-se a segunda maior do mundo.

A britânica Prudential protagonizou a maior queda, cerca de 20%, baixando de 13º lugar para 22º, devido essencialmente à autonomização da M&GPrudential, a unidade de investimentos financeiros do grupo, que não foi compensada – em volume – por um crescimento significativo no negócio asiático.

Europa em queda na dimensão mundial

Neste ranking houve quatro novas entradas: A CVS Health (para 20º), que adquiriu a Aetna em 2018, as tradicionais MetLife (23º) e Liberty Mutual (24º) e a Health Care Service para o último lugar do top25.

As saídas foram de três companhias japonesas e da Aetna adquirida em 2018 pela CVS Health.

Se a saúde está a mover o crescimento das seguradoras nos Estados Unidos e o crescimento natural faz crescer os prémios na região da Ásia, na Europa há um cenário estagnado sob a sombra das baixas taxas de juro.

Sede da Centene, em St. Louis, Estados Unidos: A seguradora cresceu 25% num ano, ganhando seis lugares no ranking global.

O ranking dá o sinal de ultrapassagem à Europa. Se a a AXA manteve a 2ª posição e a Generali a 8ª e a Zurich o 23º, a Allianz baixou de 5º para 7º, a Munich Re de 12º para 15º e a Prudential desceu à 22ª posição.

A China manteve os 3º e 4º lugares, apenas com a troca da Ping An e da China Life, a People Insurance mantém o 10º e a China Pacific melhorou de 24º para 19º após um crescimento de 15% nos negócios.

Do Japão vieram sinais opostos: A Nippon Life melhorou dois lugares para 14º, National Mutual Agriculture de (20º para 16º), a Dai Ichi melhorou um lugar para 18º. Japan Post, MS&AD e Tokio Marine saíram do top25.

Dos Estados Unidos e principalmente do negócio saúde, vieram as grandes melhorias de posição. São 11 companhias nos 25 primeiros lugares do mundo.

Para comparação a 25ª do ranking tem quase o triplo dos prémios emitidos em Portugal. Em relação à Fidelidade, líder em Portugal, a mesma 25ª registou 8 vezes mais prémios, mas a UnitedHealth mundial é cerca de 40 vezes maior.

São estas as maiores seguradoras do Mundo, por valores de 2018, segundo a A.M.Best:

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

130 milhões de clientes: UnitedHealth é a maior seguradora do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião