Mais suspeitas de branqueamento de capitais. PGR recebeu 8.974 alertas

  • ECO
  • 24 Fevereiro 2020

Assistiu-se a um aumento de 43% nas comunicações de operações suspeitas no âmbito da lei de combate ao branqueamento de capitais. Em 247 casos, foram abertos inquéritos.

No ano passado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) recebeu 8.974 comunicações de operações suspeitas no âmbito da lei de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento de terrorismo, avança o Jornal de Negócios (acesso pago). Este número representa um aumento de 43% face aos 6.271 casos registados em 2018.

Há um conjunto de entidades que têm de informar a PGR e a Unidade de Informação Financeira da Polícia Judiciária, em simultâneo, quando algum negócio ou operação levante suspeitas de envolvimento de fundos ilegais. A maioria das comunicações vinha de instituições financeiras, mas, desde o ano passado, o setor imobiliário ganhou novas obrigações de identificação e comunicação, bem como os advogados.

Embora não se conheça quantas comunicações efetuou cada entidade, a PGR adiantou que 407 das comunicações recebidas pelas autoridades foram feitas no âmbito da lei do branqueamento de capitais. Em 247 casos, os procedimentos levaram à suspensão dos negócios em causa e das operações bancárias. No seguimento disto foram abertos inquéritos, que ainda estão em curso.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Mais suspeitas de branqueamento de capitais. PGR recebeu 8.974 alertas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião