O futuro da impressão é sinónimo de inovação e rentabilidade

A Konica Minolta acaba de instalar a primeira AccurioJet KM-1 em Portugal, um marco na sua operação e com que se quer diferenciar no mercado.

A Grafisol é o primeiro cliente e foi, por isso, na sede da empresa gráfica que decorreu a apresentação oficial de um dos mais recentes lançamentos da Konica Minolta em Portugal: a AccurioJet KM-1.

Segundo Pedro Monteiro, Deputy Managing Director da Konica Minolta Portugal “para além de introduzirmos no mercado equipamentos inovadores e com tecnologia de última geração, prestamos um serviço global de consultoria”.

“Para esta nova abordagem ao negócio da Grafisol, procedemos a um extenso estudo prévio, onde foram analisadas todas as áreas de operação da Grafisol, onde incluímos uma avaliação à sustentabilidade e o retorno do investimento”, acrescenta. “É para nós extremamente importante assegurarmos que o nosso cliente fica com um parque gráfico adequado às suas necessidades e reforçando assim a sustentabilidade do seu negócio”, nota.

A Grafisol é assim a primeira a investir numa solução que se posiciona como inovadora, e com que quer disponibilizar uma oferta de impressão mais completa aos clientes, diferenciar-se no mercado nacional e aumentar a rentabilidade do negócio.

Com uma carteira de 360 clientes das mais variadas áreas de atividade, onde se inclui a indústria farmacêutica, de cosmética e de alta relojoaria (por natureza com exigências de produtos premium), a gráfica tem como expectativa aumentar em 15% o volume de vendas em 2020, um crescimento impulsionado pela nova aquisição que moderniza o seu parque de impressão e que, pelas características, abre novas oportunidades de negócio.

Veja o vídeo da apresentação:

 

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O futuro da impressão é sinónimo de inovação e rentabilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião