Covid-19 já fez quase 3.000 mortos. Há 84 mil infetados

  • Lusa
  • 29 Fevereiro 2020

China registou mais 47 mortes causadas pelo coronavírus. Na Europa, Itália é o país mais atingido pelo surto, com 17 mortos e 605 infetados.

A China registou mais 47 mortes causadas pelo coronavírus Covid-19, elevando o total para 2.835 desde o início da epidemia, e identificou ainda 427 novos casos.

A Comissão de Saúde da China identificou, nas últimas 24 horas, os 427 novos casos na China continental (que exclui Macau e Hong Kong), o que representa um valor superior àquele registado no dia anterior e que aumenta o número para um total de 79.251 infetados.

A grande maioria das mortes registou-se na província de Hubei (45), outra na capital, Pequim, e uma em Henan.

Todos os casos, com exceção de quatro, foram identificados em Hubei, incluindo 420 na capital da província, Wuhan, a metrópole onde o vírus começou.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) observou que, na terça-feira, os novos casos contados na China foram superados pelos de outros países.

Pequim mantém medidas extremamente rígidas contra a epidemia, com 56 milhões de pessoas confinadas em Hubei, e restrições para evitar multidões em todo o país, tendo inclusive encerrado escolas.

As empresas começaram a reabrir provisoriamente após semanas de desaceleração da atividade económica.

A epidemia de Covid-19, que teve origem na China, em dezembro de 2019, já infetou mais de 84 mil pessoas em 53 países de cinco continentes, das quais morreram quase três mil.

Na Europa, Itália é o país mais atingido pelo surto, com 17 mortos e 605 infetados.

A OMS aumentou para muito elevado o nível de ameaça causado pelo novo coronavírus, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia.

A epidemia de Covid-19 foi declarada pela OMS como emergência de saúde pública internacional.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 já fez quase 3.000 mortos. Há 84 mil infetados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião