Combustíveis não custam o mesmo em todo o lado. Veja os preços em cada distrito

Os preços dos combustíveis variam de posto para posto, mas também de distrito para distrito. A ERSE revela os valores em cada um deles, salientando que há diferenças que chegam a 5 cêntimos por litro.

Tal como um apartamento não custa o mesmo em Lisboa, Évora, Bragança ou Faro, também um litro de combustível tem um preço diferente em diferentes zonas do país. São pequenas as variações, mas existem. E é no litoral onde os condutores portugueses têm de suportar os custos mais elevados na hora de abastecer, salvo raras exceções.

De acordo com dados da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), “embora pouco diferenciados, os preços médios de gasolinas 95 e gasóleos simples revelam algumas diferenças regionais“.

Considerando os valores médios registados no primeiro mês do ano, o litro da gasolina simples de 95 octanas foi de 1,569 euros, acima dos 1,456 euros no caso do gasóleo simples. A diferença de valor entre o preço médio nacional e o preço médio nos distritos portugueses para a gasolina simples 95 e gasóleo simples é mais elevada nos distritos do litoral“, diz o regulador do setor energético.

Ainda que seja uma realidade, há exceções. Aveiro, Braga e Coimbra apresentam valores aquém da média, enquanto, por exemplo, em Lisboa os preços da gasolina e do gasóleo são 0,7% e 0,9%, respetivamente, acima da média. No Porto, os valores médios são 0,1% e 0,4%, respetivamente, superiores aos da generalidade do país.

"A diferença de valor entre o preço médio nacional e o preço médio nos distritos portugueses para a gasolina simples 95 e gasóleo simples é mais elevada nos distritos do litoral.”

ERSE

Lisboa está entre os distritos mais caros, mas a ERSE aponta outros. Beja e Bragança são os distritos onde os combustíveis rodoviários se verificaram mais caros face ao preço médio nacional”, sendo que em Beja a diferença é de 1,5%. Neste distrito, o litro da gasolina custa 1,594 euros, enquanto o de diesel chega aos 1,478 euros, em média.

Ao contrário, “Aveiro, Braga, Santarém e Castelo Branco são os distritos com gasolinas e gasóleos mais baratos“, nota o regulador do setor, salientando que apesar de existirem diferenças entre distritos, estas são reduzidas. “Em mais de metade dos distritos, a diferença de preços médios por litro de combustível não ultrapassa os 5 cêntimos”, remata.

Preços dos combustíveis são mais elevados no litoral

Ninguém bate os hipermercados

Os valores médios dos combustíveis consideram os preços praticados por todos os operadores neste mercado, sendo que como é um mercado liberalizado, cada um deles pode praticar os valores que entender. Regra geral, os preços seguem a evolução das cotações do petróleo, mas também dos seus derivados, sendo preciso contar ainda com o fator cambial, mas cada posto pode subir mais, ou descer mais, os preços do que aquilo que resulta do cálculo com base nas cotações nos nos mercados internacionais. Ou têm uma margem maior ou menor.

"Os hipermercados são os operadores com preços mais competitivos.”

ERSE

Segundo a ERSE, é nos postos de abastecimento das empresas do setor que os preços dos combustíveis são mais elevados, seja na gasolina, seja no caso do gasóleo. Seguem-se os postos low cost, mas ninguém bate os hipermercados.

“Os hipermercados são os operadores com preços mais competitivos, tendo em média disponibilizado ao consumidor no mês de janeiro gasolina simples 95 a 1,482 euros por litro”, enquanto o diesel custou 1,352 euros. Nos low cost os valores da gasolina foram 5% inferiores aos dos postos de abastecimento que operam sob insígnia de uma companhia petrolífera, enquanto no diesel a poupança foi de 6,5% face aos postos de marca.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Combustíveis não custam o mesmo em todo o lado. Veja os preços em cada distrito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião