Candidaturas abertas para incentivos fiscais a investigação e desenvolvimento

Empresas portuguesas podem submeter as suas candidaturas a partir de desta segunda-feira. Empresas têm à sua disposição uma plataforma melhorada e mais segura.

Estão oficialmente abertas as candidaturas ao Sistema de Incentivos Fiscais à Investigação & Desenvolvimento Empresarial (SIFIDE) relativo ao exercício fiscal de 2019. Através deste sistema gerido pela Agência Nacional de Inovação (ANI), pretende-se aumentar a competitividade das empresas apoiando o seu esforço em I&D através da dedução à coleta do IRC de uma percentagem das respetivas despesas de I&D.

As empresas portuguesas podem submeter as suas candidaturas, a partir desta segunda-feira, através de uma nova plataforma online, mais prática, intuitiva e segura, que, entre outras funcionalidades, permite simular o crédito fiscal a que terão direito. Os interessados podem submeter as suas candidaturas até ao final do quinto mês após o fecho do seu ano fiscal.

No ano passado as empresas portuguesas apresentaram 1.663 candidaturas referentes a projetos desenvolvidos durante o ano fiscal de 2018, mais 17,5% que as apresentadas no ano fiscal anterior. No total, as empresas declararam investimentos em I&D no valor de cerca de 817 milhões de euros, o que representa um crescimento de 19% face aos 686 milhões declarados no ano fiscal de 2017.

O SIFIDE já atribuiu 2.156 milhões de euros em benefícios fiscais a 2.908 empresas desde 1997. Nos últimos dez anos, os incentivos fiscais à I&D ascenderam a um total de 1.763 milhões de euros, registando um crescimento sustentado ao longo da década (4,6% ao ano, em média), ainda mais acentuado no período dos últimos cinco anos (9,9% ao ano, em média).

Em dez anos, a ANI apurou mais de 3.950 milhões de euros de investimento em I&D no âmbito das candidaturas ao SIFIDE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Candidaturas abertas para incentivos fiscais a investigação e desenvolvimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião