PIB italiano sobe 0,3% em 2019. É o pior resultado desde 2014

  • Lusa
  • 2 Março 2020

O Produto Interno Bruto (PIB) italiano subiu 0,3% em 2019, o pior resultado desde 2014. No que diz respeito à dívida pública, o país permanece nos seus máximos históricos.

O Produto Interno Bruto (PIB) italiano subiu 0,3% em 2019, o pior resultado desde 2014, quando a economia do país ficou estagnada, com a dívida a alcançar os 134,8%, divulgou esta segunda-feira o instituto nacional de estatística (Istat).

De acordo com o organismo italiano, este dado revê em alta de 0,1 pontos percentuais o valor preliminar avançado em janeiro. O Governo italiano tinha estimado para 2019 um crescimento de 0,1% e um défice de 2,2% do PIB, prevendo que a dívida alcançasse os 135,7% do PIB.

Apesar de os dados serem melhores do que as previsões do executivo, o instituto alerta para uma “desaceleração acentuada” em comparação com o crescimento de 0,8% registado no país em 2018. O défice foi de 1,6%, inferior aos 2,2% de 2018 e o melhor valor desde 2007, altura em que alcançou os 1,3%.

No que diz respeito à divida pública, esta manteve-se em 134,8% do PIB, acima do limite de 60% fixado no Pacto de Estabilidade. Itália permanece nos seus máximos históricos no que diz respeito à dívida pública.

Para 2020, o Governo prevê que o novo coronavírus afete a economia de Itália, o país da Europa atualmente mais atingido pela doença, que, segundo o último balanço oficial, provocou mais de 1.600 contágios, entre os quais 34 mortos. As regiões mais afetadas são as do Norte do país.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, já avisou que o impacto económico “pode ser muito importante” e os especialistas alertam para que o país pode entrar em recessão no primeiro trimestre do ano, depois de registar uma contração de 0,3% no último trimestre de 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PIB italiano sobe 0,3% em 2019. É o pior resultado desde 2014

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião