PIB italiano sobe 0,3% em 2019. É o pior resultado desde 2014

  • Lusa
  • 2 Março 2020

O Produto Interno Bruto (PIB) italiano subiu 0,3% em 2019, o pior resultado desde 2014. No que diz respeito à dívida pública, o país permanece nos seus máximos históricos.

O Produto Interno Bruto (PIB) italiano subiu 0,3% em 2019, o pior resultado desde 2014, quando a economia do país ficou estagnada, com a dívida a alcançar os 134,8%, divulgou esta segunda-feira o instituto nacional de estatística (Istat).

De acordo com o organismo italiano, este dado revê em alta de 0,1 pontos percentuais o valor preliminar avançado em janeiro. O Governo italiano tinha estimado para 2019 um crescimento de 0,1% e um défice de 2,2% do PIB, prevendo que a dívida alcançasse os 135,7% do PIB.

Apesar de os dados serem melhores do que as previsões do executivo, o instituto alerta para uma “desaceleração acentuada” em comparação com o crescimento de 0,8% registado no país em 2018. O défice foi de 1,6%, inferior aos 2,2% de 2018 e o melhor valor desde 2007, altura em que alcançou os 1,3%.

No que diz respeito à divida pública, esta manteve-se em 134,8% do PIB, acima do limite de 60% fixado no Pacto de Estabilidade. Itália permanece nos seus máximos históricos no que diz respeito à dívida pública.

Para 2020, o Governo prevê que o novo coronavírus afete a economia de Itália, o país da Europa atualmente mais atingido pela doença, que, segundo o último balanço oficial, provocou mais de 1.600 contágios, entre os quais 34 mortos. As regiões mais afetadas são as do Norte do país.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, já avisou que o impacto económico “pode ser muito importante” e os especialistas alertam para que o país pode entrar em recessão no primeiro trimestre do ano, depois de registar uma contração de 0,3% no último trimestre de 2019.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PIB italiano sobe 0,3% em 2019. É o pior resultado desde 2014

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião