Bilhete de avião a 13 dólares? Não há passageiros na China

  • ECO
  • 3 Março 2020

Quebra no número de passageiros por causa do coronavírus está a fazer baixar os preços de forma expressiva. O mercado da aviação chinês chegou a ficar mais pequeno do que o português.

Com o número de infeções por coronavírus a aumentar, mas também o de mortes, os chineses procuraram abrigo. Com os chineses em quarentena, as ruas ficaram desertas e as lojas vazias. Os negócios ressentem-se, entre eles o da aviação, que vê ficarem vagos cada vez mais assentos nas viagens dentro do país.

O mercado da aviação chinês sofreu um forte rombo nas últimas semanas. Num ano em que procurava superar os EUA, o setor viu desaparecer grande parte dos passageiros. De tal forma que chegou mesmo, no final de fevereiro, a ficar mais pequeno que o português, conta a Bloomberg (conteúdo em inglês/acesso condicionado).

A situação no país já não é tão dramática, com as autoridades a implementarem medidas de contenção do vírus. Mas a aviação continua a enfrentar fortes dificuldades, vendo-se incapaz de encontrar passageiros nos voos internos. A quebra é de tal forma expressiva que os preços dos bilhetes estão a afundar, chegando a apenas 13 dólares.

De acordo com a Bloomberg, este fim de semana chegaram a ser vendidos bilhetes de avião entre Xangai e Chengdu, o equivalente a uma viagem entre Nova Iorque e Nova Orleães, nos EUA, a apenas 13 dólares mais dez de taxas. Ou seja, 26 dólares, o equivalente a 23,40 euros, à taxa de câmbio atual.

Com tão poucos passageiros, mas também com os preços das viagens em forte queda, a avião chinesa prepara-se para fortes prejuízos. O Sina.com, um portal noticioso chinês, avança que as companhias aéreas do país terão perdido dez mil milhões de yuan (1,3 mil milhões de euros) em fevereiro, numa altura em que as receitas afundaram em 37 mil milhões.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bilhete de avião a 13 dólares? Não há passageiros na China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião