Sabe onde o Estado gasta mais dinheiro? Veja aqui

Pagamento de reformas, transações de dívida pública e serviços de hospitais foram as áreas que mais dinheiro absorveram dos gastos públicos em Portugal, em 2018.

Os gastos gerais do Estado português ascenderam a perto de 89 mil milhões de euros, em 2018. Todo esse dinheiro foi encaminhado para diferentes áreas, com a maior fatia a caber ao pagamento de reformas, transações de dívida pública e serviços de hospitais.

Dados divulgados pelo Eurostat, nesta terça-feira, mostram que a proteção social foi o principal destino dos gastos do Estado em 2018, correspondendo a 17,1% do Produto Interno Bruto (PIB) gerado naquele ano. Portugal fica, contudo, aquém da média da União Europeia, onde a percentagem foi de 19,2%.

Dentro desta categoria de despesas, a maior fatia serviu para pagar reformas, com o apoio aos mais idosos a ascender a 11,5% dos gastos em função do PIB português. Seguiu-se-lhe o pagamento de pensões de sobrevivência, com um peso de 1,7% da riqueza gerada no país, e os apoios na doença e invalidez, com 1,4%.

Ranking de despesas por categoria

Fonte: Eurostat

As transações de dívida pública destacam-se como sendo a segunda área que mais dinheiro dos gastos do Estado absorve: 3,5% do PIB. Esta é também a maior despesa dentro da categoria dos serviços públicos gerais que, por sua vez, correspondeu a 7,4% do PIB.

À categoria saúde coube a terceira maior fatia dos gastos do Estado (6,3%), sendo os hospitais a área que mais dinheiro recebeu do Estado: 3,4% da riqueza gerada no país.

Áreas específicas com maior canalização

Fonte: Eurostat

Já a habitação, proteção ambiental e atividades de recreio, cultura e religião, foram as que menos dinheiro público viram investido em 2018. Corresponderam a 0,5%, 0,6% e 0,8% do PIB, respetivamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sabe onde o Estado gasta mais dinheiro? Veja aqui

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião