Novas matrículas já chegaram. “AA 01 AA” foi atribuída a um elétrico

A série anterior acabou na "99-ZZ-99", sendo que a primeira da nova, que chegará em breve às estradas, será a "AA 01 AA". IMT ficou com a primeira da nova série.

As novas matrículas já chegaram. Esgotada a série anterior, que tinha duas letras no meio, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) emitiu a primeira chapa da nova série a um veículo elétrico, devendo esta chegar às estradas nacionais nos próximos dias. Acabou-se o modelo com duas letras no meio, passam a vigorar as chapas com quatro letras, sendo que a primeira emitida é, na realidade, a segunda desta série que deverá durar 45 anos.

O IMT já tinha previsto que a atual série de matrículas chegasse ao fim no final de fevereiro, algo que acabou por, efetivamente, acontecer, com a primeira chapa da nova série a ser emitida esta madrugada. “Foi emitida, esta noite, a primeira matrícula do novo formato AA 01 AA. Esta matrícula foi atribuída a um veículo elétrico”, diz o IMT em comunicado.

Tal como aconteceu com a primeira matrícula da nova série, que começa no “AA 01 AA” e não no “AA 00 AA” porque o IMT reservou esta chapa para o seu histórico, também a “última matrícula emitida do modelo que agora termina, e que começou a ser utilizado em maio de 2005, foi a 99-ZZ-99 e foi também atribuída a um veículo elétrico”, nota o IMT.

Além de um novo formato, com duas letras, dois números e outras duas letras, nestas novas chapas que serão utilizadas nos automóveis, motociclos, triciclos, quadriciclos e ciclomotores, é também “eliminado, em todos os modelos, os traços separadores de grupos de carateres, mantendo-se no entanto um espaçamento entre o grupo de carateres”.

Mais importante que os traços é o facto de passar “a ser utilizado um novo modelo de chapa de matrícula para a generalidade dos veículos, sem a inclusão do ano e mês da primeira matrícula do veículo”. Ou seja, a parte amarela, que indicava o ano e mês da matrícula do veículo, desaparece. Há, assim, uma uniformização do modelo de matrícula com os restantes Estados-membros – apenas Itália mantém esta menção.

O novo modelo de matrícula vai permitir aumentar a duração das chapas. A estimativa do IMT é de que com o novo formato tenham um tempo máximo possível de utilização de 74 anos, mas a duração efetiva será bem menor, em torno dos 45 anos, tendo em conta que não será feita a “utilização de combinações que possam formar palavras ou siglas que se entenda dever evitar”.

O modelo que agora chega ao fim foi iniciado em 2005, com o “00-AA-00”. Durou cerca de 15 anos, enquanto o anterior, com o “00-00-AA”, arrancou a 1 de março de 1992, sendo terminado 13 anos depois. A primeira matrícula foi registada a 1 de janeiro de 1937 e até 29 de fevereiro de 1992 foi usado o modelo “AA-00-00”. Ou seja, durou 55 anos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novas matrículas já chegaram. “AA 01 AA” foi atribuída a um elétrico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião