Aviva sobe resultado anual, renova parceria com Santander UK e sai da Indonésia

  • ECO Seguros
  • 8 Março 2020

Boa evolução e temos “muito mais para fazer”, sintetiza Maurice Tulloch, CEO da Aviva, afirmando que a Covid-19 acrescenta “incerteza” para 2020."Estamos preparados para desafios a curto prazo".

A companhia aumentou o resultado operacional em 6%, para 3,18 mil milhões de libras esterlinas, com o volume líquido de prémios na atividade de seguros gerais a progredir 2%, para 9,3 mil milhões de libras (cerca de 10,74 mil milhões de euros ao câmbio corrente). O rácio combinado agravou-se ligeiramente em 2019, alcançando 97,5%, contra 97,2% no final do exercício anterior.

Nos seguros gerais, “as vendas cresceram 2% e a perspetiva é positiva na maioria dos mercados”. No negócio Vida, “os ativos aumentaram em 9%, para 417 mil milhões de libras” e “vamos melhorar o nosso desempenho” com “disciplina na despesa e na área de subscrição”, desenvolve Maurice Tulloch, presidente executivo (CEO) da Aviva Plc, citado no comunicado da companhia.

No mercado doméstico (Reino Unido), o rácio operacional passou de 94,6%, em 2018, para os 97,8%, apesar de um aumento de 1% no valor líquido de novos prémios, cujo montante superou 4,2 mil milhões de libras. Em compensação, o rácio combinado da atividade no mercado canadiano passou de 103,1%, para os 97,8%, com os prémios a crescerem 5% para cima de 3,06 mil milhões de libras. Aliás, em termos de desempenho, o Canadá liderou a recuperação operada em 2019, nota Jason Windsor, administrador financeiro (CFO), no mesmo comunicado.

No conjunto da Europa, o valor líquido de prémios subiu 2%, mas o rácio de desempenho operacional enfraqueceu, passando de 93,5% (2018), para 95,7% no final de 2019.

Tulloch reiterou que o objetivo da companhia é apresentar o que de melhor se faz no setor. Neste sentido, o foco mantém-se no cliente. Em 2019, o número de clientes da companhia aumentou 2%, para 33,4 milhões, notou.

Referindo-se à ameaça potencial da epidemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19), o executivo considera tratar-se de um fator de incerteza para este ano. A companhia “estará focada na prontidão operacional e na segurança dos clientes e dos colaboradores (…)”. A escala, diversidade “e robustez do nosso balanço permite-nos enfrentar os desafios de curto prazo”, acrescentou.

A Aviva Plc acumula um histórico que remete para as origens do mutualismo europeu, nos finais do século XVII, expandindo depois a sua influência para o continente norte-americano, China e Oceania. Chegado ao novo milénio com a designação CGNU (Commercial Union, General Accident and Norwich Union), o conglomerado britânico de seguros foi redenominado Aviva plc em 2002.

Em 2019, a Aviva desembolsou 33,2 mil milhões de libras esterlinas para indemnizações e benefícios a um universo de 33,4 milhões de clientes. As holdings do grupo operam cinco divisões ou áreas de negócio: investimentos, poupança e reforma; Vida no mercado britânico; seguros gerais; Vida Europa; Vida Ásia.

Parceria com Santander UK renovada e saída do mercado indonésio

O grupo Aviva renovou a parceria que, há nove anos, mantém com o Santander UK, filial do banco espanhol no mercado britânico.

A colaboração que aproveita a rede de agências do banco para reforçar a distribuição de seguros de habitação e produtos Vida no retalho britânico vai prolongar-se até junho de 2025 (no ramo habitação e seguros de crédito hipotecário) e até dezembro de 2026 no ramo de seguros Vida.

Noutro azimute, a Aviva Plc anunciou que está de saída do mercado indonésio, tendo alienado a totalidade da sua participação na sociedade conjunta PTG Astra Aviva Life à entidade parceira na joint-venture (PT Astra International Tbk). A transação deverá ficar concluída no quarto trimestre de 2020, adianta a companhia britânica sem indicar montantes envolvidos na venda.

Simultaneamente, o mesmo documento revela que o Bangkok Bank adquiriu o PT Bank Permata Tbk, parceiro da Aviva no negócio indonésio de bancassurance.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aviva sobe resultado anual, renova parceria com Santander UK e sai da Indonésia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião