Governos da UE são 31% femininos. Só dois países têm mais mulheres que homens

Portugal é o nono país da UE com maior percentagem de mulheres face ao total do Governo: 36%, segundo mostram dados do Eurostat divulgados no Dia Internacional da Mulher.

Os membros dos Governos da União Europeia (UE) que são mulheres representavam 31% do total, no final de 2019. A proporção representa uma subida face aos 23% registados em 2003, segundo os dados divulgados pelo Eurostat este domingo, data em que se celebra o Dia Internacional da Mulher.

Apenas na Finlândia e na Suécia, é que a percentagem de mulheres ficava acima do número de homens: 58% no caso do Governo finlandês e 52% no sueco. Já Espanha e Áustria, tinham o mesmo número de cada sexo nos seus Governos. A partir daí, a percentagem vai caindo, até aos 9% de mulheres em Malta, 10% na Grécia ou 13% na Estónia, que fecham a lista. Portugal é o nono país da UE com maior percentagem de mulheres face ao total do Governo: 36%.

“O número de presidentes e primeiras-ministras femininas nos países da UE também cresceu entre 2003 e 2019”, sublinha o relatório do Eurostat. “Em 2019, havia quatro chefes de governo (15%) femininas, enquanto não havia nenhuma em 2003. No entanto, ao longo deste período de 15 anos, a percentagem de mulheres chefes de governo na UE nunca excedeu esta percentagem, o que significa que nunca houve mais do que quatro mulheres nesta posição ao mesmo tempo“.

Já no que diz respeito aos Parlamentos nacionais de cada país da UE, o cenário não é muito diferente. Um em cada três parlamentares é mulher, o que representa 32% dos lugares. A percentagem aumentou aos 21% registados em 2003. Também neste caso, é entre os países nórdicos que se veem percentagens mais elevadas, com a Suécia a liderar (48%), seguida da Finlândia (47%), Bélgica e Espanha (ambos com 42%). Do outro lado da lista encontram-se a Hungria (12%), Malta (15%) e o Chipre.

Fonte: Eurostat

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governos da UE são 31% femininos. Só dois países têm mais mulheres que homens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião