Dia Internacional da Mulher: os números do caminho para a igualdade

O Dia Internacional da Mulher celebrou-se pela primeira vez a 8 de março de 1975. Desde então, o que mudou? A igualdade de género é um tema que veio para ficar, mas ainda há um caminho a percorrer.

Progressos, compromissos e poucos resultados reais. Até hoje, nenhum país do mundo conseguiu alcançar a igualdade de género, apesar de todos os esforços e compromissos para a igualdade nos campos da política, da saúde, da educação e do trabalho, de acordo com a ONU.

A propósito do Dia Internacional da Mulher, que se celebra a 8 de março, a Pessoas analisou os estudos mais recentes sobre igualdade de género e sobre as mulheres, para entender que oportunidades existem e qual a sua situação atual, no mundo do trabalho e na sociedade.

Mulheres portuguesas ganham menos que os homens

Em Portugal, a diferença salarial entre homens e mulheres caiu 80 cêntimos em 2018, de acordo com os dados publicados pelo Ministério do Trabalho na semana passada. Os homens continuam a ganhar mais, com a remuneração base média mensal a fixar-se nos 1.034,9 euros para os homens e nos 886 euros para as mulheres. Para ganhar o mesmo que os homens, as mulheres portuguesas têm de trabalhar o equivalente a mais 54 dias por ano.

A diferença salarial tende a aumentar à medida que sobe a qualificação profissional, aponta um estudo da CGTP, divulgado no final em fevereiro. As mulheres com qualificações mais altas ganham menos 26,1% que os seus colegas do sexo masculino. A diferença salarial tem mais expressão nas empresas privadas que nas empresas públicas e, no que diz respeito a cargos superiores, as mulheres representam 40% do total de dirigentes superiores.

Tanto os governos como as empresas devem intensificar programas que incentivem as mulheres a procurar carreiras em setores tradicionalmente dominados por homens, como IT ou engenharia.

Matilde Moreira

manager da Hays Portugal

Em abril de 2019, cerca de 31% das mulheres portuguesas recebiam o salário mínimo, face a 21% dos homens. Apesar das desigualdades, 30,2% das mulheres portuguesas são proprietárias da sua empresa, de acordo com o Índice Mastercard de Mulheres Empresárias.

Desigualdade à escala global

Na Europa, Portugal é o sexto país com maior desigualdade, de acordo com os dados do Eurostat. Em 2018, a taxa de emprego das mulheres subiu, mas continua a ser menor que a dos homens, com 72,1% face à taxa de 78,9% dos homens. Relativamente aos salários, na Europa as mulheres ainda ganham, em média, 16% menos do que os homens. Para promover a igualdade salarial, o Parlamento Europeu exigiu a adoção de regras comunitárias com “metas claras” para os próximos cinco anos.

À escala global, 81% das empresas afirma que é importante melhorar a diversidade e inclusão, mas menos de metade, cerca de 42%, implementa uma estratégia plurianual para promover a igualdade de género, revela um estudo da Mercer. Apesar dos dados, as empresas estão a apresentar progressos nas políticas de recrutamento, promoção e retenção de mulheres nos cargos de topo e a representação feminina em cargos de liderança tem aumentado, mas as estatísticas diminuem à medida que os níveis na carreira vão progredindo.

De forma global, apenas 29% das mulheres ocupa cargos de reporte direto à administração e 23% cargos executivos. As mulheres representam 47% dos profissionais em funções de suporte nas empresas e 42% em funções de níveis superiores. E as empresas estão otimistas quanto à sua capacidade de contratar, promover e reter mulheres, refere a Mercer. Contudo, apenas 64% das empresas acompanham a representação de género e ainda em menor número são aquelas que analisam contratações, promoções e saídas por género. As empresas estão mais atentas, mas cerca de metade em todo o mundo continua a não ter equipas dedicadas à diversidade e inclusão.

Com os salários já mais baixos nas profissões dominadas por mulheres, mesmo quando as diferenças na formação académica são contabilizadas, a automação de trabalhos rotineiros tem o potencial de ampliar ainda mais a disparidade salarial entre os géneros.

Matilde Moreira

Manager na Hays Portugal

Automação, uma ameaça maior para mulheres

Segundo o Fórum Económico Mundial, a automação e a tecnologia podem ameaçar milhões de empregos até 2030, ao mesmo tempo que irão gerar outros. Em Portugal, um estudo da Nova SBE e da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) sobre o futuro do trabalho prevê que, até 2030, aproximadamente 42% dos trabalhadores portugueses — 0,7 a 1,8 milhões de pessoas — tenham de atualizar as suas qualificações ou mudar de profissão para permanecerem empregados.

De acordo com o mesmo estudo, os efeitos da automação terão um maior impacto no norte do país, onde se prevê que desapareçam 421 mil postos de trabalho durante o mesmo período. Para fazer face às previsões, a solução deve passar por reforçar e requalificar em áreas tecnológicas.

Para as mulheres, que tradicionalmente têm profissões mais repetitivas e rotineiras, a automação pode representar uma ameaça maior que para os homens. De acordo com a Global Skills Index, da consultora de recrutamento Hays, as mulheres estão mais vulneráveis aos efeitos da automação, por exemplo em profissões relacionadas com trabalhos de secretariado, contabilidade, assistente de vendas e atendimento ao cliente. As mulheres ainda representam um menor número de profissionais em áreas tecnológicas.

Apesar dos progressos, nenhum país alcançou a igualdade de género. O nosso melhor não foi suficiente. Continua a haver desafios para todos os países.

Phumzile Mlambo-Ngcuka

Mensagem oficial da diretora executiva da UN Women, a propósito do Dia Internacional da Mulher 2020

“Com os salários já mais baixos nas profissões dominadas por mulheres, mesmo quando as diferenças na formação académica são contabilizadas, a automação de trabalhos rotineiros tem o potencial de ampliar ainda mais a disparidade salarial entre os géneros”, alerta Matilde Moreira, manager da Hays Portugal.

A solução poderá passar pelo esforço de governos e organizações no investimento em programas de educação e requalificação profissional ao longo da vida e pela adoção, por parte das empresas, de práticas de trabalho flexíveis.

Desigualdade de género fora do escritório

Nove em cada dez mulheres na Europa são responsáveis pelas tarefas domésticas e compras e continuam a assumir a maior parte das responsabilidades domésticas. Um estudo da multinacional Nielsen revela que, em média, 91% das mulheres afirmam ter responsabilidade partilhada ou total pelas compras diárias, tarefas domésticas e preparação de refeições.

Como há mais mulheres a trabalhar, ao mesmo tempo que continuam a ser mais mulheres responsáveis pelas tarefas em casa, estes números estão a ter impacto no consumo. De acordo com a Nielsen, as mulheres valorizam mais atividades de lazer e entretenimento e, fora do local de trabalho, as mulheres procuram formas de reduzir (e recuperar) o tempo gasto nestas tarefas. Seis em cada 10 mulheres afirmam que uma localização de loja conveniente é um fator importante na hora de decidir onde comprar — em comparação com 52% dos homens — são mais atentas, mais suscetíveis a realizar compras online sem riscos e mais preocupadas sobre a origem dos produtos.

Atrair mulheres para setores (tradicionalmente) masculinos

A aviação é um dos setores de atividade que ainda é dominado por homens, mas a tendência parece estar a mudar. Em 2019, a companhia aérea norte-americana Delta Airlines alcançou novamente 100% de paridade salarial entre os colaboradores em cargos de liderança e recebeu o prémio de “Melhor Local de Trabalho para as Mulheres” pela Great Places To Work® e pela Fortune pelo terceiro ano consecutivo, sendo a única companhia aérea na lista.

“Tanto os governos como as empresas devem intensificar programas que incentivem as mulheres a procurar carreiras em setores tradicionalmente dominados por homens, como IT ou engenharia”, sublinha Matilde Moreira, manager da Hays Portugal.

Para atrair mais mulheres e jovens para a carreira na aviação, a Delta organiza desde 2015, o voo anual WING – Women Inspiring our Next Generation. Os voos são exclusivamente planeados por mulheres – incluindo pilotos, agentes de pista, agentes das portas de embarque e controladoras na torre de controlo.

Homens têm mais probabilidade de identificar desigualdade

Os homens têm mais probabilidade que as mulheres de acreditar que a sua empresa está comprometida com os objetivos de igualdade de género, revela um inquérito global da Hays. De uma forma geral, 29% dos inquiridos afirmaram não acreditar que a empresa está totalmente comprometida com a igualdade de género.

Apenas 45% das mulheres pensam que o seu empregador está comprometido em alcançar a igualdade de género no local de trabalho, em comparação com 60% dos homens.

“É positivo ver que houve uma melhoria nos resultados relacionados à perceção de que as empresas estão a dar destaque à igualdade de género. No entanto, 29% dos profissionais afirmam que o empregador não está totalmente comprometido, há claramente mais trabalho que tem que ser feito. As empresas precisam de ser transparentes e comunicar à sua força de trabalho as medidas que estão a tomar para combater a desigualdade”, remata Sandra Henke, head of people and culture da Hays.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Dia Internacional da Mulher: os números do caminho para a igualdade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião