Santander lidera ranking de igualdade de género da Bloomberg

O banco espanhol destacou-se no Bloomberg Gender Equality Index, entre milhares de empresas em todo o mundo, pelas políticas de representação, transparência e promoção da igualdade de género.

O Banco Santander obteve a maior pontuação no índice de igualdade de género da Bloomberg 2020Bloomberg Gender Equality Index — com uma pontuação de 429 no máximo de 500, distinguindo-se entre quase de 6.000 empresas. No ranking, a Bloomberg avaliou dezenas de critérios noscampos da dimensão do talento e liderança feminina, igualdade e paridade salarial de género, políticas contra o assédio sexual, e marca inclusiva e a favor da mulher.

“Publicar os nossos dados através do Bloomberg Gender-Equality Index é um exercício importante porque permite-nos avaliar as práticas internas e ajudar-nos a entender como estamos em comparação com os nossos pares. O facto de estarmos novamente neste índice destaca o compromisso constante do Santander em facilitar um ambiente inclusivo a todos os nossos empregados e favorecer a igualdade de género na sociedade”, destaca Ana Botín, presidente do Banco Santander.

Em 2020, o Bloomberg GEI avaliou quase 6.000 empresas de 84 países, incluindo apenas 322 no índice final. Em 2019, o mesmo ranking incluiu apenas 230 empresas de 36 países, o que representa um aumento em comparação com o ano passado.

Os dados do índice da Bloomberg revelam ainda que “companhias lideradas por mulheres, têm mais mulheres em outros cargos, e as empresas estão cada vez mais focadas em atrair e reter clientes do sexo feminino”, refere a Bloomberg.

“O nível de transparência, através do qual as empresas estão a promover a igualdade de género nas comunidades locais, está a fomentar as tomadas de decisão um pouco por todo o mundo, e a apoiar os negócios inclusivos no mundo corporativo”, sublinhou Peter T. Grauer, chairman of Bloomberg, sobre os resultados do índice. Segundo a Bloomberg, as empresas que participaram no índice de igualdade de género representam uma capitalização de mercado de 12,6 biliões de euros.

“Em 2019, o banco definiu princípios de diversidade e inclusão que estabelecem os padrões mínimos nos mercados do Santander, que estão incorporados na política de cultura aprovada pelo conselho de administração da entidade. Os padrões pretendem alcançar processos, sistemas, ferramentas e políticas imparciais e inclusivas, gestão do talento e igualdade salarial”, acrescenta o banco em comunicado. O banco Santander continua com mais metas sobre igualdade de género. Até 2025, quer aumentar a percentagem de mulheres em cargos de alta direção até 30% e eliminar as diferenças salariais entre homens e mulheres.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander lidera ranking de igualdade de género da Bloomberg

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião