Montar móveis é fácil, diz IKEA. E a igualdade de género?

Na IKEA, em Portugal, 46% das funções de liderança já são ocupadas por mulheres. O Ecoolhunter conversou com Helen Duphorn, retail manager da empresa em Portugal.

Ensinou-nos que todos nós conseguimos montar um móvel, seguindo instruções simples e utilizando ferramentas básicas. Quanto à questão do género, a IKEA quer inspirar a sociedade — e, se quisermos, o mercado — a construir uma “estratégia de respeito pelos direitos humanos”.

Helen Duphorn, retail manager da IKEA em Portugal, esteve no Second Home, em Lisboa, a falar sobre Gender Equity, para uma plateia dominada por… mulheres. Mas por que, em pleno ano de 2019, este ainda é um tema? “Porque o mundo não é justo e, na sociedade em geral, a igualdade ainda não é um facto. Acho que, em empresas como a IKEA, temos um bom equilíbrio entre homens e mulheres, nos cargos de liderança mas, apenas em certas áreas. Estamos a tentar elevar o nosso nível de igualdade e também a assegurar que temos mais mulheres em áreas como a indústria, as IT ou na logística”, explica.

“A Igualdade Funciona Melhor” — de género ou origem — foi a mensagem interna com que a marca celebrou, por exemplo, o Dia Internacional da Mulher. “É um tema que ainda está longe de ser resolvido e, se em muitos países está melhor, noutros há retrocessos. Não sei se, por exemplo, nos últimos 10 anos, a Europa deu grandes passos nesta área de uma forma geral. É, por isso, que todos nós que consideramos o tema importante, temos de o levar para a frente”.

Leading the Way é a estratégia da marca na questão da igualdade de género — bem como em outras áreas –, assim como a ideia de “leading by example”. “Não acho que a questão da igualdade deva ser usada como ferramenta de marketing, de comunicação. É mais interessante termos momentos como o de hoje, com partilha de ideias”, acrescenta. “Boas empresas inspiram-se umas às outras e nós estamos ligados a outras empresas e até a governos. E acho que o futuro depende muito deste trabalho em conjunto, das parcerias, e isso faz parte da nossa cultura”.

E do Gender Equity ao Gender Equality, há formas de medir os seus impactos nos negócios das marcas? “Está provado que é vantajoso ter igualdade de género, um equilíbrio. Por exemplo, o relatório da Mckinsey, “Women Matter”, mostra que, ao longo dos anos, com base num estudo feito com várias empresas, homens e mulheres contribuem com coisas diferentes. E que empresas com homens e mulheres no board têm mais lucro. Portanto, acho que não é uma teoria: quanto mais diversos formos nos processos de decisão, melhores resultados teremos”, conclui Helen Duphorn.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montar móveis é fácil, diz IKEA. E a igualdade de género?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião