IKEA vai cortar 7.500 postos de trabalho a nível mundial

  • Lusa e ECO
  • 21 Novembro 2018

A cadeia sueca referiu que nem todos os países serão afetados da mesma forma. Em Portugal tem cinco lojas (Alfragide, Braga, Loures, Matosinhos e Loulé) e 2.500 trabalhadores.

A IKEA anunciou esta quarta-feira que vai cortar cerca de 7.500 postos de trabalho a nível mundial no grupo nos próximos anos, no âmbito de um processo de restruturação da cadeia de mobiliário e decoração sueca. Ao mesmo tempo, a Ingka Group, sociedade que concentra 90% das vendas da IKEA, irá criar 11.500 novos postos de trabalho.

O plano inclui novas lojas, investimentos na digitalização e um aumento da capacidade. “Vamos introduzir uma nova organização, mais adaptada para satisfazer os nossos clientes. Para a tornar possível, necessitamos de melhorar a nossa forma de trabalhar, dirigir e organizar”, refere em comunicado o diretor da IKEA Suécia.

“Continuamos a crescer consistentemente. Ao mesmo tempo, reconhecemos que o panorama do retalho está a transformar-se a uma escala e a um ritmo nunca anteriormente vistos. Sabendo que o comportamento do consumidor está a mudar rapidamente, estamos a investir e a desenvolver o negócio para ir ao encontro das suas necessidades. Vamo-nos focar em melhorar ainda mais as nossas lojas IKEA e agarrar a oportunidade para renovar e reinventar o nosso negócio, sempre com base na nossa história, cultura e valores. São os nossos valores que nos guiam diariamente e que nos ajudam a construir uma cultura inclusiva e aberta. É com base nesse espírito de equipa e de entusiasmo que continuaremos a transformarmo-nos”, explica, em comunicado, Jesper Brodin, CEO do grupo Ingka.

A cadeia sueca referiu que nem todos os países serão afetados da mesma forma sendo, Portugal, um dos mercados em que “o mais provável” é que não haja nenhum trabalhador a ter de abandonar a empresa. A IKEA emprega cerca de 160.000 empregados em 30 mercados e, de acordo com o comunicado, cerca de 7.500 em funções que “poderão tornar-se redundantes”. Em Portugal, tem cinco lojas (Alfragide, Braga, Loures, Matosinhos e Loulé) e 2.500 trabalhadores. “Nesta fase estamos a avaliar como será o reflexo desta transformação na organização nacional”, refere ainda o comunicado.

Notícia atualizada às 14h54 com mais informação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IKEA vai cortar 7.500 postos de trabalho a nível mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião